english version below

Por Carlo Barbieri
Desde a eleição de 2016 do presidente Donald J. Trump, a grande mídia afirmou que os Estados Unidos estão dando um grande salto para uma recessão.
Bem, ainda estamos esperando que isso aconteça. Alguns economistas estão roendo as unhas, jurando que o piso financeiro vai cair neste ano, em 2020 ou 2021. Talvez antes mesmo da eleição presidencial de novembro de 2020.

Outros estão adotando uma atitude de esperar para ver. Eles não são negadores da recessão, estão apenas dizendo que provavelmente não acontecerá este ano, ou talvez não no próximo ano, ou talvez não no ano seguinte, mas … algum dia.
Um artigo recentemente citado na internet ofereceu as seguintes previsões financeiras de especialistas. A parcela de economistas que esperavam uma recessão este ano caiu de 10% em fevereiro para 2% em Agosto. Além disso, 34% agora esperam uma recessão em 2021, acima dos 25% em fevereiro. Ainda assim, cerca de 4 em cada 10 economistas esperam uma desaceleração em 2020, praticamente inalterada em relação a um relatório anterior.

Ainda parece que aqueles que fazem mais do que mexer com dados econômicos continuam jogando verde para colher maduro, esperando que cole, dando mais do que apenas uma dica de quando e se uma recessão se materializará. Até agora, não é bom.
A ideia de que as recessões são inevitáveis está imersa na tradição. Os prognósticos financeiros dizem que a economia deve se corrigir a cada sete anos, da mesma forma que o Dia do Salto deve ser adicionado ao calendário a cada quatro anos para equilibrar a ligeira discrepância na duração de cada ano. Sem essa correção, provavelmente estaríamos recebendo a primavera em janeiro e comemorando o Natal em agosto.

Os economistas acham que, como as recessões sempre aconteceram, elas devem continuar ocorrendo em ciclos regulares, como a lua e as marés.
O atual presidente é muito, muito diferente de qualquer líder nacional anterior. E ele realizou coisas que muitas pessoas disseram que nenhum presidente jamais poderia realizar.
Os pessimistas previam um desastre econômico em todo o país assim que Trump se tornasse presidente eleito em novembro de 2016. Eles disseram que o mercado de ações entraria em colapso, que o mercado de trabalho provavelmente pioraria, que o comércio iria crescer e que a guerra continuaria minando a força americana e dólares.

Mas com a reforma tributária, a redução da burocracia federal e o estímulo à produção industrial doméstica, os EUA alcançaram um crescimento econômico sólido, em vez de uma recessão. Ele trouxe de volta os trabalhos de fabricação que, segundo o presidente Obama, nunca mais veriam a luz do dia nos EUA e uma taxa de desemprego mais baixa em 50 anos.
Ironicamente, a conversa sobre recessão hoje – apesar do sucesso do país – é mais alta e mais difundida do que nunca. As declarações de economistas de todo o país são mais intensas quanto mais as opiniões políticas se misturam.

Talvez Lou Crandall, economista-chefe do Wrightson ICAP, tenha declarado o caso mais claramente. A economia está boa, ele disse, mas os riscos políticos podem causar uma recessão até o final do próximo ano.

“Não há absolutamente nenhuma razão econômica ou financeira para que ocorra uma recessão global ou nos EUA no próximo ano ou dois, mas é provável que experimentemos uma de qualquer maneira por causa de riscos políticos”, disse Crandall.

“As recessões são sempre difíceis de prever”, acrescentou. Mas, depois de analisar profundamente os dados econômicos, ele concluiu que “não há razão” para que a economia caia em recessão. “Os suspeitos do costume estão desaparecidos. Por exemplo, não há excesso de estoque, nem a política monetária é muito rígida. ”
No entanto, “os riscos políticos têm uma lógica própria”, disse ele, falando não apenas sobre a guerra comercial de Donald Trump, mas também sobre riscos geopolíticos como Brexit, Coréia do Norte e Irã, entre outros.

“Acho que continuaremos assumindo riscos no comércio e nos empurrando para o limite”, previu, colocando as chances de recessão até o final de 2020 em pouco mais de 50%.
Não é inevitável, no entanto. “Poderíamos ter um ano sólido” se as empresas obtiverem alguma clareza sobre as regras comerciais globais.

Recentemente, o New York Times assumiu com ousadia que todas essas previsões terríveis de uma recessão iminente nos próximos anos estão erradas. O jornal New York Times disse que não haverá uma queda financeira desastrosa pela frente, apenas um declínio no progresso econômico com base em um crescimento sustentável e saudável de 2% ao ano, o que para uma economia que se recuperou forte e significativamente de um dos mais terríveis colapsos da história em 2008 e 2009, é muito bom.


Despite fear of cash crash, a recession in US may not happen

By Carlo Barbieri

Since the 2016 election of President Donald J. Trump, the mainstream media have asserted that the United States is taking a headlong leap into a recession.

Well, we’re still waiting for it to happen. Some economists are chewing their nails, swearing the financial floor will drop out either this year, in 2020 or 2021. Maybe even before the November 2020 presidential election.

Others are taking more of a wait-and-see attitude. They aren’t recession deniers, they are just saying it probably won’t happen this year, or maybe not next year, or maybe not the following year, but….. sometime.

An article recently quoted on the internet offered the following expert financial predictions. The share of economists expecting a recession this year dropped from 10 percent in February to 2 percent in Auguste. In addition, 34 percent now expect a recession to take place in 2021, up from 25 percent in February. Still, about 4 out of 10 economists expect a slowdown in 2020, roughly unchanged from a previous report.

It still appears that those who do more than dabble in economic data continue to throw recessional Jello at the wall, hoping something will stick, giving more than a just a hint of when and if a recession will materialize.  So far, no good.

The idea that recessions are inevitable is steeped in tradition. Financial prognosticators say the economy must correct itself every seven years, much the way Leap Day must be added to the calendar every four years to balance the slight discrepancy in the length of each year.  Without such a correction, we’d probably be welcoming spring in January and celebrating Christmas in August.

Economists feel that because recessions have always happened, they must continue to happen at regular cycles, like the moon and the tides.

The actual President  is very, very different from any previous national leader. And he has accomplished things many people said no president could ever bring about.

Naysayers were predicting nationwide economic disaster as soon as Trump became president-elect in November of 2016. They said the stock market would crash, that the flagging job market would likely worsen, that trade would go boom and that war would continue to sap American strength and dollars.

But with tax reform, reduction in the federal bureaucracy and stimulation of domestic industrial production, the US has achieved solid economic growth rather than a recession. It has brought back manufacturing jobs that President Obama said would never see the light of day in the US again and an unemployment rate that’s the lowest in 50 years.

Ironically, the talk of recession today – despite the nation’s success — is louder and more widespread than ever. Statements from economists all over the country are more intense the more that political opinions have become mixed in.

Perhaps Lou Crandall, chief economist at Wrightson ICAP, has stated the case most clearly. The economy is OK, he said, but political risks could cause a recession by the end of next year.

“There’s absolutely no economic or financial reason for a U.S. or global recession to occur in the next year or two, but we’re likely to experience one anyway because of political risks,” said Crandall.

“Recessions are always hard to predict,” he added. But after looking deeply into economic data, he concluded that “there’s no reason” for the economy to topple into recession. “The usual suspects are missing. For instance, there’s no inventory overhang, nor is monetary policy too tight.”

However, “political risks have a logic of their own,” he said, talking not only about Donald Trump’s trade war, but also such geopolitical risks as Brexit, North Korea and Iran, among others.

ÚLTIMOS ARTIGOS

Apresentação do Evento – Event Presentation – Alphaville

Clique aqui para acessar aos conteúdos da Palestra Click here to access the contents of the Lectures Em portugues English

face linkedin twitter whatsapp

Arquivos das palestras – Evento Shopping Iguatemi Alphaville

Aposente-se em dólar Apresentação da Oxford Exporta São Paulo Como Empreender com Franquia Oxford Realty  

face linkedin twitter whatsapp

Brasil: entre um Supremo espúrio e uma incrível recuperação legal e econômica.

english version below O Brasil tem tido uma recuperação incrível neste primeiro ano sob a nova presidência. Os juros baixaram para 5% aa, a menor taxa em toda sua(...)

face linkedin twitter whatsapp
ArabicChinese (Simplified)Chinese (Traditional)EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish