Bolsonaro, o candidado que é visto como quem levantará o Brasil

Matéria publicada originalmente no Jornal Boca Raton Tribune

Com a provável eleição do candidato Jair Bolsonaro como presidente do Brasil no segundo turno de domingo – a fase final da votação no sistema eleitoral de dois segmentos do país – acreditamos que vale a pena ver o que vai mudar e as oportunidades que essa mudança trará. para investidores e exportadores americanos.

Bolsonaro, um congressista do Rio de Janeiro, terminou em primeiro lugar no primeiro turno da determinação presidencial em 7 de outubro. Agora, ele e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad vão enfrentar a chave para a decisão. escritório executivo na eleição de domingo.

O representante do Rio de Janeiro vem liderando nas pesquisas. O primeiro grande tema a refletir sobre a provável vitória de Bolsonaro é o fato de que, depois de 32 anos de governo esquerdista – estabelecimentos esquerdistas social-democratas e métodos marxistas de governo – o Brasil precisa desesperadamente de um líder conservador no governo. Essa é a única maneira de solidificar o governo tanto do ponto de vista político quanto econômico.

A solidariedade é muito necessária quando o Brasil emerge de um dos seus períodos mais sombrios da história. Está começando a se recuperar de sua pior recessão de todos os tempos. Uma ampla investigação do governo revelou corrupção arbitrária. Um ex-presidente popular, Luiz Inácio Lula da Silva, está preso por acusações de fraude. Sua sucessora, Dilma Rousseff, foi impeached.

O sucessor de Rousseff, Michel Temer, sucedeu Rousseff como a 37ª presidente do Brasil. Seu governo implementou políticas que contradiziam a plataforma na qual o Partido dos Trabalhadores de Dilma havia sido eleito, em um dos períodos mais polêmicos e politicamente aquecidos da história moderna do Brasil. Agora, Temer continua sob investigação.

Dizer que uma mudança no governo brasileiro é uma necessidade absoluta, provavelmente não enfatiza o suficiente. Paulo Guedes, futuro ministro das Finanças do Brasil, está trazendo para o seu trabalho um forte esforço de privatização. Na verdade, ele quer privatizar ou fechar até 100 empresas.

Sua decisão, além de contribuir para a eliminação de cerca de 20% da dívida pública atual e trazer uma melhora significativa no custo do financiamento da dívida pública, deve eliminar os futuros aumentos do déficit e manter as empresas públicas funcionando de maneira eficiente.

Por outro lado, com a privatização, grandes oportunidades de investimento se abrirão nas áreas de infraestrutura e muitos outros empreendimentos.

Um segundo ponto importante será a redução do crime e da ilegalidade, e o aumento da segurança pública com a adoção de medidas legais e operacionais para combater o narcotráfico. Uma atmosfera mais serena também deve impedir a entrada de armas através das fronteiras, que abastecem o elemento do crime organizado no Brasil, uma cabala brutal responsável por cerca de 60.000 mortes por ano.

Essa tranquilidade também deve ser aproveitada para reviver o fluxo do turismo, um negócio que foi paralisado pelos medos dos viajantes de absorver a beleza natural do Brasil. Também neste item está a valorização do imóvel, agora enterrado na insegurança coletiva dos moradores do Brasil.

Em terceiro lugar, sob Bolsonaro, espera-se maior segurança institucional, uma vez que as regras devem ser mais claras e com a harmonia de poderes estabelecida na segunda fase do novo regime do presidente.

Essa segurança jurídica e institucional deve fazer com que os recursos, investidores e inteligência retornem e avancem no Brasil, reduzindo a evasão desesperada que prejudica a nação tão duramente. Certamente, a busca pela internacionalização dos negócios nas empresas deve seguir.

Acordos bilaterais com os EUA não serão mais dificultados por simples influência ideológica, mas buscados no interesse de ambos os países. As empresas Norte-Sul, paralisadas há pelo menos 16 anos, devem ganhar novo impulso neste ano e no futuro.

Espera-se grande incentivo para uma cooperação saudável entre os dois governos e, particularmente, no setor privado. Com certeza, o Brasil voltará a ocupar grande parte da atenção de investidores que buscam colocar seus recursos e oportunidades onde estão suas bocas – em empresas e países em desenvolvimento.

Em um editorial de 21 de outubro de 2018, o New York Times chama Bolsonaro de “o mais recente de uma longa lista de populistas que enfrentaram uma onda de descontentamento, frustração e desespero para o cargo mais alto de seu país. Não surpreendentemente, ele é frequentemente descrito como um brasileiro Donald Trump. ”

Não tenho certeza, mas acho que vindo do New York Times, essa frase pode ser interpretada como um elogio – mesmo que não tenha a intenção de ser.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Bolsonaro seen as the candidate to make Brazil great again

 With the likely election of candidate Jair Bolsonaro as president of Brazil in Sunday’s run-off election – the final balloting phase in this nation’s two-segment electoral system — we believe it is worth looking at what will change and the opportunities this change will bring to American investors and exporters.

Bolsonaro, a congressman from Rio de Janeiro, finished in the Number 1 spot in the first round of the presidential determination on Oct. 7. Now, he and former São Paulo mayor Fernando Haddad will go head-to-head for the key to the executive office in Sunday’s election.

The Rio de Janeiro rep has been leading in the polls. The first major topic to ponder about Bolsonaro’s probable win is the fact that after 32 years of leftist government – social democratic leftist establishments and Marxist governing methods – Brazil badly needs a conservative leader in the ruling seat.  This is the only way to solidify the government from both a political and economic point of view.

Solidarity is badly needed as Brazil emerges from one of its darkest periods in history. It is starting to recover from its worst-ever recession. A broad investigation of government has turned up wanton corruption. A popular former president, Luiz Inácio Lula da Silva, is in prison on fraud accusations. His successor, Dilma Rousseff, was impeached.

Rousseff’s successor, Michel Temer, succeeded Rousseff as the 37th president of Brazil. His government implemented policies that contradicted the platform on which Rousseff’s Workers Party had been elected, in one of the most controversial and politically-heated periods of modern Brazilian history. Now, Temer remains under investigation.

To say a change in Brazilian government is an absolute necessity probably doesn’t emphasize it enough. Paulo Guedes, Brazil’s future Minister of Finance, is bringing to his job a strong privatization effort. In fact, he’s looking either to privatize or close up to 100 companies.

His decision, besides contributing to the elimination of about 20% of the current public debt and bringing with it a significant improvement in the cost of financing public debt, should eliminate future deficit increases and keep public companies working efficiently.

On the other hand, with privatization, great investment opportunities will open up in the areas of infrastructure and many other ventures.

A second important point will be the reduction of crime and lawlessness, and the enhancement of public safety and security with the adoption of legal and operational measures to combat narcotics trafficking.  A more serene atmosphere should also stem the entry of arms across borders, which supply the organized crime element in Brazil, a brutal cabal responsible for some 60,000 deaths a year.

This tranquility must also be used to advantage to revive the flow of tourism, a business that has been paralyzed by travelers’ fears to take in the natural beauty of Brazil. Also in this item is the valuation of real estate, now buried in the collective insecurity of the residents of Brazil.

Thirdly, under Bolsonaro, greater institutional security is expected, since the rules should be clearer and with the harmony of powers established in the second phase of the new president’s regime.

This legal and institutional security must make the resources, investors, and intelligence return to and advance in Brazil, reducing the desperate evasion that damages the nation so harshly. Surely, the search for internationalization of business in companies must follow.

Bilateral agreements with the U.S. will no longer be hindered by simple ideological influence but sought in the interests of both countries. North-South businesses that have been paralyzed for at least the last 16 years should gain new momentum this year and in the future.

Great encouragement is expected for healthy cooperation between the two governments, and particularly in the private sector. Surely, Brazil will again occupy a vast amount of the attention of investors seeking to put their resources and opportunities where their mouths are — in developing companies and countries.

In an Oct. 21, 2018 editorial, the New York Times calls Bolsonaro “the latest in a long line of populists who have ridden a wave of discontent, frustration, and desperation to the highest office in their country.  Not surprisingly, he is often described as a Brazilian Donald Trump.”

I’m not sure, but I think that coming from the New York Times, that phrase can be taken as a compliment — even if it were not intended to be.

 

Leave a comment