Matéria publicada originalmente no jornal Boca Raton Tribune,

English version Below!!

O retorno do governo dividido para a capital do país neste ano – combinando uma Casa democraticamente controlada com um Senado com vantagem republicana – tornou difícil para os legisladores federais fazer muita coisa.
E com um presidente do Partido Republicano na Casa Branca – particularmente um que é profundamente desprezado por praticamente todos os membros do Partido Democrata – parece que os negócios das pessoas estão ficando muito curtos no 116º Congresso.
Com o início de 2019, os escritores políticos opinaram que um Capitólio com autoridade dividida entre dois partidos poderia acabar não ajudando constituintes nem beneficiando a economia. À medida que nos movemos para o sexto mês do ano, parece que esses preditores estavam certos.
Além disso, ambos os partidos políticos sofrem problemas adicionais. O Partido Republicano muitas vezes acha difícil chegar a um acordo entre seus membros ou um consenso.
Ao mesmo tempo, os democratas parecem quase incapazes de se concentrar em representar constituintes. Em vez disso, quase duas dúzias jogaram seus chapéus no círculo presidencial de 2020 e basicamente ignoraram questões em seus distritos. E praticamente todos os democratas ignoraram suas caixas de entrada em favor de se concentrarem no Relatório Mueller, então interpretando e reinterpretando-o para localizar a conexão Trump-Rússia que o ex-promotor não conseguiu encontrar.
Agora que o relatório foi totalmente lido para todos – com exceção de algumas redações menores – e o próprio Robert Mueller se resignou depois de tentar explicar o documento de várias páginas, os democratas aumentaram seus esforços para acusar o presidente Trump apesar de o Relatório Mueller não apresentar qualquer referência a infracções imputáveis.
Até o momento, podemos relatar que a economia dos EUA continua bem, com a geração de empregos e os relatórios do Produto Interno Bruto (PIB) excedendo as expectativas. Isso está acontecendo com pouca participação do Congresso.
Quase seis meses atrás, William Gale e Mark Mazur, do Instituto Brookings, escreveram que os EUA poderiam enfrentar problemas terríveis – muitos deles orientados para a economia – se o chamado “governo dividido” não conseguisse estabelecer uma cooperação bipartidária. Claramente, as duas partes queimaram o ramo de oliveira ao invés de estendê-lo, então o trabalho em equipe do governo tornou-se uma não-entidade no Capitólio.
Esses autores, em seu artigo de janeiro de 2019, disseram: “Em teoria, dividir o governo é um momento ideal para os legisladores se comprometerem com grandes questões. Compromisso envolve sacrifícios de ambos os lados e com governo dividido, os políticos de cada partido podem culpar o outro lado”. para itens legislativos que eles sabem que precisam ser incluídos, mas que seus constituintes podem não gostar. ”
“Mas nestes tempos polarizados, é bem possível que os legisladores dobrem as posições partidárias e o impasse familiar prevaleça.”
Os formadores de opinião foram precisos em seu prognóstico. Não só os partidários se dobraram, eles aumentaram seus discursos cheios de ódio, entrelaçando-os com vulgaridades e palavras não consideradas educadas ou politicamente corretas.
Nancy Pelosi, Presidente da Câmara dos Representantes e Presidente da Câmara dos Representantes,
“Foi uma reunião muito positiva, uma partilha respeitosa de ideias e uma apresentação muito impressionante por parte dos nossos presidentes. Não acreditamos que seja importante seguir os factos, acreditamos que ninguém está acima da lei, incluindo o Presidente do Estados Unidos, e acreditamos que o presidente dos Estados Unidos está envolvido em um encobrimento. E essa foi a natureza da reunião “.
Nada para os constituintes verem aqui. Mas, em vez disso, o grande impulso para os egos do Congresso – e um tapa para o presidente-executivo do país.
Pense no discurso do presidente sobre o estado da União, um discurso enlameado desde o início pela paralisação do governo. Trump jogou fora muita coisa para o debate naquela noite, incluindo, mas não limitado a, bipartidarismo, economia, emprego, desemprego, reforma tributária, produção de energia, unidade, crise opióide, reforma das prisões, imigração, segurança nas fronteiras e a fronteira. . Os democratas se recusaram a reconhecer muito do que Trump disse, preferindo agir como brutamontes rancorosos.
De particular interesse foram as congressistas vestidas de branco que permaneceram firmes em seus assentos para protestar contra o plano de Trump de apresentar um projeto de lei que exigiria que médicos que estivessem tentando realizar um aborto sobrevivessem ao aborto para viver.
Uma medida final da inação do Congresso. Em 3 de janeiro de 2019, o congressista John Sarbanes (D-Maryland) apresentou na Câmara um projeto para expandir os direitos de voto, limitar a gerrymandra partidária, fortalecer as regras éticas e limitar a influência do dinheiro dos doadores privados na política. Ironicamente, essa medida foi chamada de “For the People Act”.

O projeto aprovou a Câmara – ao longo das linhas partidárias, é claro – e foi até o Senado, onde o líder da maioria Mitch McConnell se recusou a fazer uma votação. No entanto, ele permitiu uma votação no Senado sobre o chamado “Green New Deal” da congressista Alexandria Ocasio-Cortez. O plano foi derrotado de forma retumbante, com todos os membros democratas votando “presente”.
Dems afirmou que era a intenção de McConnell de matar o projeto. Se assim for, eles alimentaram o fracasso.
Certamente parece que Gale e Mazur estavam certos em sua previsão para a sessão do Congresso de 2019. Seis meses atrás, eles alertaram: “De fato, há uma boa chance de que questões tributárias e fiscais simplesmente sejam ofuscadas por outras questões e pelo contexto mais amplo da divisão política”.
Mas há um lado positivo nessa situação. Sublinha a grande vantagem de um país com menos influência do governo na administração pública; onde o setor privado, tendo confiança no governo, faz os investimentos necessários e cria a riqueza para todos.
Neste momento, os EUA têm a menor taxa de desemprego em 49 anos, um crescimento sólido do PIB de 3,2%, uma forte entrada de capital de outros países e uma retomada do crescimento das exportações.
Além disso, nunca antes essa nação pôde se gabar do pleno emprego para as minorias, juntamente com aumentos reais e substanciais de seus salários.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXx

‘Divided government’ stymies congressional attention to US economy

The return of divided government to the nation’s capital this year – combining a democratically controlled House with a Senate boasting a Republican edge – has made it difficult for federal lawmakers to get much of anything done.
And with a GOP president in the White House – particularly one who is resoundingly despised by virtually every member of the Democratic Party — it seems the peoples’ business is getting very short shrift in the 116th Congress.
As 2019 began, political writers opined that a Capitol with authority split between two parties might end up neither helping constituents nor benefiting the economy. As we move into the sixth month of the year, it appears those predictors were right.
Beyond that, both political parties suffer additional woes of their own. The GOP often finds it difficult to reach an agreement among its members or form a consensus.
At the same time, Democrats seem almost incapable of focusing on representing constituents. Instead, nearly two dozen have thrown their hats into the 2020 presidential ring and have basically ignored issues in their districts. And practically all Democrats have ignored their inboxes in favor of concentrating on the Mueller Report, then interpreting and reinterpreting it to locate the Trump-Russia connection that the former special prosecutor couldn’t find.
Now that the report has been fully read to all – except for some minor redactions – and Robert Mueller himself has resigned after trying one last time to explain the multi-page document, Democrats have ramped up their efforts to impeach President Trump even though the Mueller Report lacks any reference to impeachable offenses.
At this writing, we can report that the U.S. economy continues to do well, with job creation and Gross Domestic Product (GDP) reports exceeding expectations. This is happening with little participation by Congress.
Nearly six months ago, William Gale and Mark Mazur at the Brookings Institute wrote that the U.S. could face dire problems – many of them economics-oriented – if the so-called “divided government’ failed to establish bipartisan cooperation. Clearly, the two parties have burned the olive branch rather than extend it, so governmental teamwork has become a non-entity on Capitol Hill.
Those writers, in their January 2019 article, said: “In theory, the split government is an ideal time for legislators to compromise on big issues. Compromise involves sacrifices by both sides, and with divided government, politicians of each party can blame the other side for legislative items that they know need to be included, but that their constituents may not like.”
“But in these polarized times, it is quite possible that lawmakers will double down on partisan positions and familiar gridlock will prevail.”
The opinion writers were exact in their prognostication. Not only have partisans doubled down, they have increased their hate-filled speeches, lacing them with vulgarities and words not considered polite or politically correct.
Consider the following comments delivered by House Speaker Nancy Pelosi following a meeting with House Democrats on recent court successes and Democrats’ oversight efforts to hold President Trump and this administration accountable:
“It was a very positive meeting, a respectful sharing of ideas and a very impressive presentation by our chairs. We do believe it’s important to follow the facts, we believe that no one is above the law, including the President of the United States, and we believe that the President of the United States is engaged in a cover-up – in a cover-up. And that was the nature of the meeting.”
Nothing for constituents to see here. But instead, a big boost for congressional egos – and a slap for the nation’s chief executive.
Think back to the president’s State of the Union address, a discourse muddied from the start by the government shutdown. Trump tossed out lots of grist for debate that night, including, but not limited to, bipartisanship, the economy, jobs, unemployment, tax reform, energy production, unity, the opioid crisis, prison reform, immigration, border security and the border wall. Democrats refused to acknowledge much of what Trump said, instead, choosing to act like spiteful brats.
Of particular note were the congresswomen dressed in white who remained steadfastly in their seats to protest Trump’s plan to introduce a bill that would require doctors who are trying to perform an abortion who survive an abortion to live.
One final measure of congressional inaction. On Jan. 3, 2019, Congressman John Sarbanes (D-Maryland) introduced in the House a bill to expand voting rights, limit partisan gerrymandering, strengthen ethics rules and limit the influence of private donor money in politics. Ironically, that measure was called the “For the People Act.”
The bill passed the House – along party lines, of course — and went over to the Senate, where Majority Leader Mitch McConnell has refused to bring it up for a vote. However, he did allow a Senate vote on Congresswoman Alexandria Ocasio-Cortez’ so-called “Green New Deal.” The plan was resoundingly defeated, with all Democratic members voting “present.”
Dems claimed it was McConnell’s intent to kill the bill. If so, they fed into the failure.
It certainly seems that Gale and Mazur were right in their prediction for the 2019 congressional session. Six months ago, they warned: “Indeed, there is a good chance that tax and fiscal issues will simply get overshadowed by other issues and the larger context of political divisiveness.”
But there is a bright side to this situation. It underscores the great advantage of a country with less influence from the government in the public administration; where the private sector, having confidence in the government, makes the necessary investments and creates the wealth for all.
Right now, the US has the lowest unemployment rate in 49 years, solid GDP growth of 3.2%, a strong inflow of capital from other countries and a resumption of export growth.
In addition, never before has this nation been able to boast of full employment for minorities along with real and substantial increases in their wages.

ÚLTIMOS ARTIGOS

Economia Americana como aliada – Correio Braziliense

Artigo publicado originalmente no jornal Correio Braziliense. English version below: Economia como Aliada: “Trump mostrou-se uma pessoa tenaz em sua luta, mas que não gozava de grande simpatia dentro(...)

face linkedin twitter whatsapp

Jovem Pan entrevista presidente do Oxford Group sobre eleições americanas.

Unfortunately the interview is only available in Portuguese. Thank you for you comprehension. No dia 19 de junho a Jovem Pan ao vivo entrevistou o advogado e economista Carlo(...)

face linkedin twitter whatsapp

Visão Conservadora Sobre Como Administrar a Burocracia do Estado

Matéria publicada originalmente no jornal Boca Raton Tribune English version below! Quando o primeiro ano de mandato do presidente Donald Trump estava chegando ao fim, final de 2017, ficou(...)

face linkedin twitter whatsapp
ArabicChinese (Simplified)Chinese (Traditional)EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish