Matéria publicada originalmente no jornal BocaRatonTribune

English version Below

Os Estados Unidos foram moldados positivamente por sucessivas ondas de imigrantes, desde a época dos colonos originais até a era moderna. Por mais de dois séculos, os imigrantes chegaram aos EUA buscando uma vida melhor para eles e suas famílias. No processo, eles moldaram e moldaram nossa sociedade e cultura, e seu impacto em nossa economia não foi menos significativo.

Ao mudar o crescimento populacional e os níveis de etnia, a imigração criou os grandes bairros do século 19 em lugares como Nova York, Boston, Chicago e Miami. Os espanhóis deixaram sua marca na Flórida, Califórnia e Texas; Italianos se reuniram no norte de Boston e em Rhode Island. Chineses e irlandeses estabeleceram os trilhos para as grandes ferrovias do século XIX.

Hoje, os nascidos no exterior contam com vários tipos de vistos para chegar a essa nação. Os EUA emitiram 533.557 vistos de imigrantes e 9.028.026 vistos de não-imigrantes em 2018. Isso é ligeiramente inferior em ambas as categorias a partir de 2017, quando 559.536 vistos de imigrantes e 9.681.913 vistos foram emitidos.

O número de vistos caiu desde que o número atingiu um pico em 2015.

Em 2017, os imigrantes representaram quase 14% da população dos EUA, um aumento acentuado das taxas historicamente baixas das décadas de 1960 e 1970, mas um nível comumente alcançado no século 19, diz um relatório do Instituto Brookings. Dadas as taxas de natalidade relativamente baixas dos nativos americanos, os imigrantes e seus filhos fornecem agora, essencialmente, todo o crescimento da população líquida em idade produtiva nos EUA.

Esses fatos básicos sugerem que os imigrantes estão assumindo um papel maior na economia dos EUA. Este papel não é exatamente o mesmo que o dos americanos nativos. Os imigrantes tendem a trabalhar em diferentes empregos com diferentes conjuntos de habilidades. No entanto, apesar do tamanho da população nascida no exterior, os imigrantes tendem a ter impactos relativamente pequenos nos salários dos trabalhadores nativos, acrescenta o relatório.

Ao mesmo tempo, os imigrantes geralmente têm influências construtivas nas finanças do governo e na inovação que leva ao crescimento da produtividade.

Os EUA acomodam os que vêm de nações estrangeiras para trabalhar nos Estados Unidos emitindo vistos de imigração baseados no EB ou no emprego. Trabalhadores de outros países podem imigrar permanentemente para os Estados Unidos com vistos de EB e, após cinco anos de residência legal e permanente, estrangeiros podem solicitar a cidadania dos EUA.

Na última década, e particularmente hoje, a política de imigração tornou-se um tema muito debatido por uma série de razões que pouco têm a ver com uma avaliação cuidadosa das evidências. Desentendimentos políticos sobre a gestão de imigração nas fronteiras dos EUA, particularmente o trecho entre os Estados Unidos e o México, alimentaram a raiva entre os líderes nacionais, mas os imigrantes individuais foram poupados de qualquer ira pessoal.

Aqueles que procuram entrar nos EUA são simplesmente instados a seguir o procedimento adequado. Aqueles que não enfrentam processo ou deportação, sob as leis que são o direito de qualquer nação soberana de impor.

Os programas de vistos evoluíram de forma negativa e positiva ao longo dos anos, de acordo com relatórios do Pew Research. Quase 34 milhões de imigrantes legais vivem nos Estados Unidos hoje. Muitos residem e trabalham aqui depois de receber residência permanente legal (também conhecida como “green card”), enquanto outros recebem vistos temporários disponíveis para estudantes e trabalhadores, como mencionado acima.

Além disso, cerca de um milhão de imigrantes não autorizados têm permissão temporária para viver e trabalhar nos EUA por meio dos programas de Ação de Deferred Action for Childhood Arrivals (DACA) e Temporary Protected Status.

Durante anos, várias propostas têm procurado mudar o sistema de imigração do país de sua ênfase atual na reunificação familiar e migração baseada no emprego, e em direção a um sistema baseado em pontos que prioriza a admissão de imigrantes com certas qualificações de educação e emprego. Essas propostas receberam atenção renovada sob a administração Trump.

Veja detalhes importantes sobre os programas de imigração dos EUA existentes:

• No ano fiscal de 2016, 804.793 pessoas receberam residência permanente legal nos EUA. Este programa permite que alguém receba um green card se já tiver um cônjuge, filho, irmão ou pai que mora no país com cidadania americana ou, em alguns casos, um green card.

• Os imigrantes de países com um grande número de candidatos geralmente esperam por anos para receber um green card, porque um único país não pode ser responsável por mais de 7% de todos os green cards emitidos anualmente.

• Hoje, a imigração de base familiar – referida por alguns como “migração em cadeia” – é a forma mais comum pelas quais as pessoas ganham cartões verdes, representando nos últimos anos cerca de 70% das mais de 1 milhão de pessoas que as recebem anualmente.

Os EUA admitiram 84.995 refugiados no ano fiscal de 2016, um total que caiu para 53.716 no ano fiscal de 2017 – o menor número de admissões desde 2007. Esse declínio reflete um menor limite de admissão.

Segundo estudos da Pew, um dos primeiros atos de Trump como presidente em 2017 foi congelar as admissões de refugiados, citando preocupações de segurança. As admissões da maioria dos países acabaram por recomeçar, embora os candidatos de 11 nações considerados “de alto risco” pela administração fossem admitidos caso a caso. Em janeiro de 2018, as admissões de refugiados foram retomadas para todos os países.

A cada ano, cerca de 50.000 pessoas recebem cartões verdes por meio do programa de vistos de diversidade dos EUA, também conhecido como loteria de vistos. Desde que o esforço começou em 1995, mais de 1 milhão de imigrantes receberam cartões verdes através da loteria. Trump disse que quer eliminar o programa, que visa diversificar a população imigrante dos EUA, concedendo vistos a nações sub-representadas. Os cidadãos de países com o maior número de imigrantes legais nos últimos anos – como o México, o Canadá, a China e a Índia – não podem se inscrever.

Este tópico será abordado em mais detalhes na próxima coluna, que discutirá mais detalhadamente vistos H e green cards, entre outros assuntos.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Immigration at a glance: US encourages legal émigrés To help grow jobs (EB visas); aid the nation’s economy

 
The United States has been positively shaped by successive waves of immigrants, from the time of the original colonists through the modern era. For more than two centuries, immigrants have arrived in the U.S. seeking a better life for them and their families. In the process, they have molded and shaped our society and culture, and their impact on our economy has been no less significant.

 

By changing population growth and levels of ethnicity, immigration created the great neighborhoods of the 19th century in places like New York, Boston, Chicago, and Miami. Spaniards made their mark in Florida, California, and Texas; Italians gathered in North Boston and in Rhode Island. Chinese and Irish laid the tracks for the great railroads of the 19th century.

 

Today, the foreign-born rely on various types of visas to make their way to this nation. The U.S. issued 533,557 immigrant visas and 9,028,026 nonimmigrant visas in 2018. This is down slightly in both categories from 2017 when 559,536 immigrant visas and 9,681,913 visas were issued.

 

The number of visas has dropped each since the figure hit a high in 2015.

 

In 2017, immigrants made up nearly 14 percent of the U.S. population, a sharp increase from historically low rates of the 1960s and 1970s, but a level commonly reached in the 19th century, says a report from the Brookings Institute. Given native-born Americans’ relatively low birth rates, immigrants and their children now provide essentially all the net prime-age population growth in the U.S.

 

These basic facts suggest that immigrants are taking on a larger role in the U.S. economy. This role is not precisely the same as that of native-born Americans. Immigrants tend to work in different jobs with different skills sets. However, despite the size of the foreign-born population, immigrants tend to have relatively small impacts on the wages of native-born workers, the report adds.

 

At the same time, immigrants generally have constructive influences on both government finances and the innovation that leads to productivity growth.

 

The U.S. does accommodate those coming from foreign nations to work in the United States by issuing EB – or Employment-Based Immigrant Visas. Workers from other countries can permanently immigrate to the United States with EB Visas, and after five years of being a lawful, permanent resident, foreign nationals may apply for U.S. citizenship.

 

In the past decade and particularly today, immigration policy has become a hotly debated topic for a variety of reasons that have little to do with a careful assessment of the evidence. Political disagreements over immigration management at U.S. borders, particularly the stretch between the United States and Mexico, have fueled anger among national leaders, but individual immigrants have been spared any personal wrath.

 

Those seeking entry into the U.S. are simply urged to follow proper procedure. Those who don’t face prosecution or deportation, under laws that are the right of any sovereign nation to impose.

 

Visa programs have evolved both negatively and positively over the years, according to reports from Pew Research. Nearly 34 million lawful immigrants live in the United States today. Many reside and work here after receiving lawful permanent residence (also known as a “green card”), while others receive temporary visas available to students and workers, as mentioned above.

 

In addition, roughly a million unauthorized immigrants have temporary permission to live and work in the U.S. through the Deferred Action for Childhood Arrivals (DACA) and Temporary Protected Status programs.

 

For years, various proposals have sought to shift the nation’s immigration system away from its current emphasis on family reunification and employment-based migration, and toward a points-based system that prioritizes the admission of immigrants with certain education and employment qualifications. These proposals have received renewed attention under the Trump administration.

 

Here are key details about existing U.S. immigration programs:

 

 

 

 

The U.S. admitted 84,995 refugees in fiscal 2016, a total that declined to 53,716 in fiscal 2017 – the fewest admissions since 2007. This decline reflects a lower admissions cap.

 

For fiscal 2018, refugee admissions have been capped at 45,000, the lowest since Congress created the modern refugee program in 1980 for that fleeing persecution in their home countries.

 

Pew studies say one of Trump’s first acts as president in 2017 was to freeze refugee admissions, citing security concerns. Admissions from most countries eventually restarted, though applicants from 11 nations deemed “high risk” by the administration were admitted on a case-by-case basis. In January 2018, refugee admissions resumed for all countries.

 

Each year, about 50,000 people receive green cards through the U.S. diversity visa program, also known as the visa lottery. Since the effort began in 1995, more than 1 million immigrants have received green cards through the lottery. Trump has said he wants to eliminate the program, which seeks to diversify the U.S. immigrant population by granting visas to underrepresented nations. Citizens of countries with the most legal immigrant arrivals in recent years – such as Mexico, Canada, China, and India – are not eligible to apply.

 

This topic will be addressed further in the next column, which will discuss at greater length H-visas and green cards, among other subjects.

ÚLTIMOS ARTIGOS

Porquê seus filhos merecem uma melhor chance.

Temos visto com tristeza a decadência do ensino público no Brasil e, ao mesmo tempo o aumento dos custos do ensino particular com uma infeliz ideologização crescente. Enquanto isto,(...)

face linkedin twitter whatsapp

Aposentar em Dólar

Matéria publicada originalmente na revista FocoAmerica English Version Below Se a aposentadoria está cada vez mais distante de representar uma tranquilidade para os brasileiros, a possibilidade de ter uma(...)

face linkedin twitter whatsapp

Imigração em um piscar de olhos: os EUA encorajam emigrados legais Para ajudar no crescimento de empregos (vistos de EB); ajudar a economia do país

Matéria publicada originalmente no jornal BocaRatonTribune English version Below Os Estados Unidos foram moldados positivamente por sucessivas ondas de imigrantes, desde a época dos colonos originais até a era moderna.(...)

face linkedin twitter whatsapp
ArabicChinese (Simplified)Chinese (Traditional)EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish