O Custo da Hipocrisia

Há 63 anos o Brasil fechava os cassinos no país. Nestes anos de 1946 até hoje, esta proibição contribuiu para a criação de jogos dominados pelo Estado, com sua consequente mazela política,  aumento da corrupção do aparelho repressor, ceifa e empregos e remessa de divisas ao exterior.

Enquanto nos EUA, a ampliação dos jogos e sua regulamentação têm ocupado a agenda do Executivo e Legislativo, com o escopo de aumentar a receita pública nesta fase de orçamentos esvaziados pela crise, no Brasil vemos seguir a hipocrisia e a decisão segue pelos porões dos dois poderes.

Líderes de algumas religiões cristãs atacam o jogo. Tentei descobrir na Bíblia, que  embase esta resistências ao jogo. Nas mais de 2.300 páginas de minha Bíblia de estudos, não encontrei nada condenando o jogo. Aliás,  apenas algumas palavras relacionadas ao entretenimento. A própria passagem de Mateus 27.35 em que se refere aos soldados romanos lançando sorte sobre as vestes de Jesus, pode-se condenar o fato maldoso e desrespeitoso, mas não o jogo em si.

Há que se considerar, do ponto de vista moral e religioso, a condenação a todos os vícios, pois “o homem é escravo do que o domina” 2 Pedro 2:19, mas isto se aplica à submissão do homem a qualquer pensamento ou atos sobre os quais perca o controle, valendo para a comida (gula) a bebida (embriaguês), ao sexo (luxuria), etc. Mesmo nos sete pecados capitais não está o jogo.

Do ponto de vista científico, está sobejamente comprovado que os jogos, sejam quais forem, inclusive o bingo, ajudam ao desenvolvimento cerebral e inclusive retardam o avanço das doenças degenerativas celebrais como o Alzheimer.

Superadas as restrições de ordem morais e religiosas, e sabedores que somos das vantagens médicas, vamos rapidamente enfocar o aspecto do crime organizado e os crimes que rodeiam o jogo.

Todos os dias, vemos prisões de policiais que ganham para proteger o jogo ilícito. Eles são ilícitos, pois, foram colocados arbitrariamente fora da lei, a despeito do fato de ser uma atividade desejada por uma boa parte da sociedade que vê o jogo como uma das formas de entretenimento, e não quer se privar dela.

As considerações do decreto presidencial de Dutra, que proibiram o jogo no país não poderiam ser mais claras em sua falsidade:

Decreto-Lei presidencial, que fechou os cassinos: “Considerando que a repressão aos jogos de azar é um imperativo da consciência universal; Considerando que a legislação penal de todos os povos cultos contém preceitos tendentes a esse fim; Considerando que a tradição moral jurídica e religiosa do povo brasileiro e contrária à prática e à exploração de jogos de azar”.

Ora, a consciência universal aprovou o jogo, ele é praticado em todos os países desenvolvidos (apenas Cuba e o Brasil não tem jogo permitido nas Américas) e a cultura e a tradição moral do Brasil tinham o jogo desde os tempos imperiais.

Vamos agora aos aspectos econômicos do tema. Quando de seu fechamento, o jogo extirpou o emprego de 53.200 empregos diretos, apenas nos 71 cassinos que funcionavam a época. Hoje, se estima que pelo menos 200.000 empregos seriam gerados de imediato, com a legalização dos cassinos e bingos, sem considerar a parte das oportunidades na área de construção e outros empregos indiretos.

Do ponto de vista tributário os técnicos entendem que cerca de nove bilhões estariam entrando nos cofres públicos, ao ano, com a legalização dos jogos. Para esta cifra basta lembrar que a Loteria Federal  arrecadou quase seis bilhões de reais no ano de 2008.

E no que tange a evasão de divisas? São dezenas de voos fretados que saem do país por mês para levar jogadores para o Uruguai, Las Vegas etc., fora os passageiros em voos regulares. É a riqueza do país voando para dar desenvolvimento e empregos em outros países.

É preciso tirar esta hipocrisia e enfrentar a questão de frente. Eu vejo a questão aqui na Flórida onde o estado está à busca da ampliação das formas de jogo para aumentar a sua arrecadação e gerar mais empregos.

Há, sem dúvida, a necessidade de ser feita uma legislação que seja clara, para evitar que o jogo venha a servir para barganhas políticas, assim como é necessária toda a atenção para evitar que ele seja dominado pelo crime organizado.

Outra preocupação é que o aparelho do Estado esteja preparado para evitar que este lazer e diversão sejam convertidos em lavagem de dinheiro ou que se engane a população que busca entretenimento com equipamentos viciados.

Uma boa iniciativa, que está sendo discutida aqui nos EUA, é que os cassinos devem estar em águas salgadas e em grandes embarcações, limitando assim sua amplificação desmesurada.

Enfim, sem hipocrisia esta pode ser uma solução e não um problema

Carlo Barbieri é gestor do São Paulo Business Center, presidente do Brazilien Business Bureau e presidente da Oxford Group.

barbieri@casite-724183.cloudaccess.net
www.casite-724183.cloudaccess.net

ÚLTIMOS ARTIGOS

Presidente do Oxford Group é entrevistado no programa Ahora

Confirá abaixo a o bate-papo que aconteceu no programa Ahora con Oscar Haza, onde o presidente do Oxford Group, Carlo Barbieri fala um pouco mais sobre a viagem do presidente(...)

face linkedin twitter whatsapp

Visita de Bolsonaro aos EUA foi precipitada

Matéria publicada originalmente no jornal Poder360 English Version Below Visita de Bolsonaro aos EUA foi precipitada, diz Carlo Barbieri Leia a entrevista do analista político LAURIBERTO BRASIL 19.mar.2019 (terça-feira)(...)

face linkedin twitter whatsapp

DINHEIRO PARA DESENVOLVER PROJETOS E EMPRESAS NOS EUA

Publicado originalmente pelo Jornal Foco America   Dinheiro para desenvolver projetos e empresas nos EUA Os Estados Unidos, é sem dúvida, o país do mundo que mais tem seu(...)

face linkedin twitter whatsapp