Primeiramente, é importante definir o dólar com relação a que país e que moeda.

Internacionalmente, a moeda americana tem várias razões para perder valor. Destaquemos algumas:

·         O endividamento público americano já chegou a 143% de seu PIB

·         Este percentual deve piorar, pois há algumas promessas de campanha, com investimento em infraestrutura (cerca de $2 trilhões ) perdão da dívida de bolsa de estudos dos estudantes ($1,7 trilhões), nova rodada de apoio referente ao vírus que veio da China ($1,9 trilhões).

·         Entrada da moeda virtual da China e as já hoje no mercado, que, gradativamente, vão minando a capacidade do tesouro americano financiar o déficit, com emissão de títulos e moedas que são absorvidos internacionalmente;

·         Necessidade de ampliar as exportações americanas, cujo déficit comercial aumentou, exponencialmente, durante a pandemia e, para isto, a desvalorização dá mais competitividade ao produto americano;

·         Melhoria da economia internacional, em particular da EU e da China;

·         Ações ecológicas, como a paralisação o duto de petróleo desde o Canadá até o golfo, que geram desemprego e diminuição da exportação de petróleo;

·         Acordo entre a China, Irã e Rússia que mina o poder americano.

·         Se, o enfraquecimento do dólar, vem de encontro, economicamente, ao interesse do atual governo americano, politicamente vem de encontro ao interesse chines de chegar mais rapidamente a ser o super poder mundial.

·         Mas, nada tem a ver, com a cotação do dólar em relação ao real.

·         O dólar, no Brasil, obedece menos à economia e mais a questões políticas e de insegurança quanto ao quadro interno da economia do país.

Em termos econômicos, com uma enorme reserva em dólar que tangencia R $400 bilhões), e com o superávit comercial de 2020 que superou $50 bilhões, o dólar deveria, ou poderia ter baixado até de forma expressiva.

Mas:

·         Com um congresso marcadamente sem espírito público (vamos ver com a nova direção), que engavetava ou boicotar as soluções necessárias propostas pelo executivo;

·         Uma suprema corte que se entendeu super poder e assumiu as decisões de governo, fazendo com que o país tivesse 12 presidente, ou seja 11 além do eleito;

·         Trazendo como consequência uma insegurança legal e institucional para o capital externo;

·         Uma insegurança quanto aos investimentos internos;

·         Uma inviabilidade de crescimento a curto e médio prazo do país;

·         A destruição dos meios de combate a corrupção;

Tudo isto faz com que se busque uma segurança no dólar aumentando seu valor, por razões políticas e não por questões econômicas.

Por outro lado, como se retém capital, oferecendo aplicações de percentual menor do que a inflação, se em dólar, nos EUA, obtém-se remuneração de 3 vezes, maior do que a inflação no país?

Como a inflação nos EUA ainda está em torno de 2% ou menos, para o brasileiro, a variação internacional em dólar não tem importância expressiva, pois seguirá comprando aqui, o que sempre comprou, com o mesmo valor.

Abrir Whatsapp
Precisa de ajuda?
Olá,
Como posso ajudá-lo?