English Version Below

Previdência Social: novo sistema oferece mais benefícios do que o modelo dos EUA.

Publicado por jamildo em Notícias às 16:15 – UOL

O economista Carlo Barbieri, presidente do Grupo Oxford, que atua no mercado internacional há mais de 30 anos, revela que, mesmo com as mudanças propostas, o novo modelo brasileiro, em votação no Congresso, é mais vantajoso para o trabalhador do que o dos Estados Unidos.

“No Brasil, a Reforma da Previdência Social causou apreensão na maioria das pessoas e dividiu opiniões principalmente pelas incertezas do futuro.  É natural que as pessoas comparem, pesquisem e até procurem outras alternativas de previdencia social, como os EUA.

Eles têm uma das maiores economias do mundo, mas os benefícios da seguridade social são muito menos generosos do que no Brasil ”, observa ele.

O economista e consultor brasileiro Carlo Barbieri, que ajuda os brasileiros que querem internacionalizar empresas e produtos no exterior, comenta que a reforma aprovada nesta semana no Brasil terá ainda mais benefícios do que o modelo atual dos EUA.

Criado pelo presidente Franklin Roosevelt em 1935, o American Welfare System foi projetado para apoiar os trabalhadores que tinham 65 anos de idade. O sistema agora é considerado desatualizado e precisará passar por uma grande reforma, assim como o Brasil está fazendo ”, diz o consultor.

“Uma das principais diferenças entre as aposentadorias brasileiras e norte-americanas é a existência de dois sistemas americanos: Previdência Social e Previdência Privada. A aposentadoria privada é um recurso complementar utilizado nos Estados Unidos, mesmo dentro das empresas, ao contrário do Brasil, onde o trabalhador é aquele que procura o serviço de forma independente. ”

O economista menciona outras diferenças que a reforma previdenciária pode trazer em relação ao modelo americano, como a questão da idade mínima exigida para a aposentadoria que é distinta para homens e mulheres; o tempo de contribuição; o recebimento de aposentadorias integrais da função pública. ”

Barbieri ressalta que, em média, a aposentadoria paga pelo governo federal para funcionários públicos e privados chega a 44% do último salário recebido.

De acordo com estimativas feitas pela administração da Previdência Social, daqui a 15 anos o envelhecimento da população e a redução no número de trabalhadores ativos causarão um déficit estimado em US $ 25 bilhões para o sistema. ”

Reforma pode ser um divisor de águas

No que diz respeito ao Brasil, segundo o economista, “a aprovação da reforma será um divisor de águas quanto à decisão de investir ou não no mercado brasileiro”.

Ele diz que, mesmo diante de um cenário comparativo favorável para a Previdência Social no Brasil, muitos brasileiros não estão confiantes sobre os resultados da reforma e estão buscando alternativas para que o futuro não seja incerto. O consultor afirmou que alguns fatores podem incentivar os brasileiros a buscar ganhos em dólares.

“O PIB dos Estados Unidos cresce mais de 3%, o consumo de 2,8% e o aumento da taxa de poupança dos EUA de 6,4% para 6,7% no primeiro trimestre de 2019 são fatores que podem estar estimulando os brasileiros a pensar no futuro em dólares. Apenas no início deste ano, o Grupo Oxford viu um aumento de 10% na internacionalização de empresas brasileiras para os EUA. ”

O economista explica que as incertezas sobre o projeto de reforma previdenciária podem estar incentivando mais brasileiros a buscar alternativas de investimento em outros países.

“Para os brasileiros, o mercado americano tem o cenário ideal para uma aposentadoria sólida e protetora.

A estabilidade econômica dos EUA é atraente, já que as novas políticas fiscais resultaram em uma redução no imposto de renda corporativo de 35% para 21%.


Social Security Benefit:  New System Provides More Benefits than US Model

The Economist Carlo Barbieri, president of the Oxford Group, which has been operating in the international market for over 30 years, reveals that, even with the proposed changes, the new Brazilian model, in a congressional vote, is more advantageous to the worker than the USA.

“In Brazil, the Social Security Reform has caused apprehension in most people, and divided opinions mainly by the uncertainties of the future.  It is natural for people to compare, research, and even look for other social security alternatives, such as the US.  They have one of the largest economies in the world, but social security benefits are far less generous than in Brazil, ”  he notes.

Brazilian economist and consultant Carlo Barbieri, who helps Brazilians who want to internationalize companies and products abroad, comments that the reform approved this week in Brazil will see even more benefits than the current US model.

Created by President Franklin Roosevelt in 1935, the American Welfare System was designed to support workers who were 65 years old.  The system is now considered outdated and will need to undergo a major overhaul, just as Brazil is doing, ” says the consultant.

“One of the main differences between Brazilian and North American pensions is the existence of two American systems: Social Security and Private Pension.  Private retirement is a complementary resource used in the United States, even within companies, unlike Brazil, where the worker is the one who seeks the service independently. ”

The economist mentions other differences that pension reform may bring regarding the US model, such as the question of the minimum age required for retirement that is distinct for men and women; the contribution time; the receipt of full pensions for the civil service.  “

Barbieri points out that, on average, the retirement paid by the federal government for both public and private employees reaches 44% of the last salary received.

According to estimates made by the Social Security administration, 15 years from now the aging of the population and the reduction in the number of active workers will cause an estimated $ 25 billion shortfall to the system. ”

Reform can be watershed

As far as Brazil is concerned, according to the economist, “the approval of the reform will be a watershed regarding the decision whether or not to invest in the Brazilian market.”

He says that even in the light of a favorable comparative scenario for Social Security in Brazil, many Brazilians are not confident about the results of the reform and are looking for alternatives so that the future is not uncertain.

The consultant has stated that some factors may encourage Brazilians to seek gains in dollars.

“US GDP increases by over 3%, consumption by 2.8% and the rise in the US savings rate from 6.4% to 6.7% in the first quarter of 2019 are factors that may be stimulating Brazilians thinking about the future in dollars.  Just earlier this year, Oxford Group saw a 10% increase in the internationalization of Brazilian companies to the US. ”

The economist explains that the uncertainties about the pension reform project may be encouraging more Brazilians to seek investment alternatives in other countries.

“For Brazilians, the American market has the ideal scenario for a solid and protective retirement.  US economic stability is attractive as the new tax policies have resulted in a reduction in corporate income tax from 35% to 21%.

 

 

 

 

ÚLTIMOS ARTIGOS

Se os EUA vão bem, a Flórida vai ainda melhor

english version below Apesar das desinformações, perenes, em parte da imprensa, os EUA vão bem, obrigado, e a ameaça midiática de recessão, não conseguiu se impor a realidade dos(...)

face linkedin twitter whatsapp

CBN

Rádio CBN entrevista Carlo Barbieri sobre o tema – Repercutir movimento dos EUA de taxar Alumínio e aço após acusar Brasil de desvalorizar a moeda de propósito – A(...)

face linkedin twitter whatsapp

Entrevistas – CIEAM e CRITICA

Clique nas matérias para visualizar o conteúdo das entrevistas de Carlo Barbieri

face linkedin twitter whatsapp
ArabicChinese (Simplified)Chinese (Traditional)EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish