https://opresenterural.com.br/produtores-rurais-brasileiros-em-fuga-para-os-eua/?unapproved=525&moderation-hash=07afa3d86a3574ebdce5ee1ff1e7ffa2#comment-525

Os produtores Rurais do Brasil estão cada vez mais ávidos pelo sonhado Green Card – documento que autoriza residência permanente nos Estados Unidos, mas por que? Os produtores rurais brasileiros, sem alarde, mas com muita determinação estão buscando cada vez mais se informar em como obter o Green Card via EB-5 – visto de investimento – nos EUA.

Levantamento realizado pela consultoria que presido nos EUA há mais de 30 anos – a Oxford Group – revela aumento da procura por informações sobre o processo por produtores rurais do Brasil. Segundo relato dos próprios interessados, o aumento da pressão do novo governo americano ao Brasil, relacionada a temas ecológicos, mas totalmente protecionista aos produtores americanos, deverá gerar, nos próximos anos, uma maior dificuldade para exportação de carne, soja e até mesmo açúcar do Brasil para os EUA.

Uma possível mudança no prazo de espera para obtenção do green card via EB-5 – elevando o prazo atual de meses para 10 anos – além da chance de não renovação do projeto pelo Congresso americano, tem sido algumas das razões que motivam um número cada vez maior de produtores rurais do Brasil a buscar o green card. E a hora não poderia ser mais oportuna. Somente na Oxford o aumento da procura entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021 foi de 30% por parte desta categoria.

Seguros para si e suas famílias, quando de posse do documento de residência nos EUA, há uma chance maior de articular a entrada dos produtos no território americano. O cenário econômico mundial estimula ainda mais esse comportamento. A China, por exemplo, deve diminuir possivelmente a taxação contra os produtos agrícolas, o que deverá representar uma queda de preços das comodities que o Brasil exporta para o país.

A guerra por espaço aos produtos agrícolas no mundo inteiro deverá se intensificar nos próximos anos. A França, por exemplo, boicota a assinatura do acordo entre o Mercosul e a União Europeia há muito tempo. Assim, forçam que os produtos agrícolas da américa latina não entrem no mercado europeu e preservam a sobrevivência de seus minifúndios. O tesouro francês sabe que não terá capacidade de cobrir os valores que seriam necessários se os produtos brasileiros, por exemplo, entrarem na Europa.

Independente do cenário, o que os produtores rurais do Brasil estão vendo e procurando é a possibilidade de gerenciar esse fluxo diretamente dos Estados Unidos. A recuperação econômica dos EUA já é constante desde o último trimestre de 2020. Em janeiro, o setor privado americano agregou 174 mil novos empregos, contrariando os 50.000 previstos pelos “experts” no segundo semestre do ano.

A recuperação nos EUA chamou atenção até mesmo no segmento de hospitalidade, que contabilizou geração de mais 35.000 empregos que, mesmo estando muito abaixo dos níveis pré-pandemia, mostraram uma reação forte no setor, ainda antes da vacinação, em janeiro. Outro dado relevante é que o ISM, índice que representa o setor industrial, aumentou para o melhor índice dos últimos 2 anos e meio, mantendo uma expansão nos últimos 7 meses, após o início da pandemia.

Os pedidos de acesso ao seguro desemprego caíram nos EUA pela terceira semana em seguida para o menor nível desde novembro, mostrando que o corte de empregos tem baixado desde o início do Covid 19. Enquanto isso, investimentos em construção atingiram novo recorde em Dezembro de 2020. Uma consequência da baixa nos juros do mortgage (financiamento hipotecário), facilitando a compra de casas.

Aliás, estes juros estão tão baixos que aplicações para refinanciamentos cresceram em 59% e para novas aquisições 16%. Um cenário de esperança que está motivando não apenas os produtores rurais brasileiros, mas investidores que sabem e confiam na força do dólar e dos EUA para recuperação rápida.

Abrir Whatsapp
Precisa de ajuda?
Olá,
Como posso ajudá-lo?