Segunda Guerra Civil Americana poderia ser conflito psicológico

Publicado no “Boca Raton Tribune”

Edição 133.

By Carlo Barbieri

 

A Guerra Civil que pôs o Norte e o Sul contra o outro durante o início dos anos 1860 foi, sem dúvida, um encontro sangrento, com a luta de irmão contra irmão por um cano de um fuzil ou em meio ao fogo de canhão em um campo de batalha. A ironia amarga do conflito foi o fato de que o único problema – o destino da escravidão – foi razão principal para a luta sangrenta.

 

Se houver uma Segunda Guerra Civil Americana – e esta coluna já havia especulado sobre essa possibilidade – é provável que seja um conflito psicológico e não uma guerra com armas e bombas. Ainda assim, mesmo uma guerra psicológica pode ter um impacto traumático sobre esta nação.

 

América esperava que a eleição de novembro 2012 desse algum vislumbre de um futuro mais brilhante e até mesmo um eventual fim aos terríveis problemas econômicos que tem angustiado esta nação, pelo menos desde 2007. A reeleição de Barack Obama por um par de pontos percentuais em relação à Mitt Romney deixa muitos em os EUA querendo saber se os próximos quatro anos será simplesmente uma repetição dos quatro passados.

 

É aqui aonde alguns dos aspectos psicológicos vêm. Durante sua campanha, e em seu recente discurso de posse, o presidente Obama abordou algumas das questões que têm atormentado diversos segmentos da população. Mas nós nos perguntamos se essas perguntas foram respondidas com o melhor de sua capacidade e para o agrado do povo americano. Em outras palavras, suas mentes estão confiando no que ele prevê para o futuro?

 

Pouco mais de dois meses se passaram desde que Obama venceu a reeleição, e ele ainda tem feito pouco para trazer a paz para as mentes de muitos, em especial os da classe média, aos quais ele prometeu não machucar durante sua eleição.

 

A discussão prolongada e o período longo de inação em relação ao chamado “abismo fiscal” não trouxe nada, mas continua angustiando toda a população. Os ricos se perguntaram se eles iriam ser afetados com impostos muito mais elevados. Mas, mesmo a classe média, pareceu, ser ser atingida por novos e pesados impostos – além dos sacrifícios que fizeram durante os últimos anos.

 

O argumento sobre o abismo fiscal foi encerrado com uma falsa sensação de segurança quando os legisladores federais e Obama anunciaram um acordo temporário na época do Ano Novo. Ainda assim, apesar das comemorações e tapinhas nas costas entre os oficiais em Washington, a classe média não saiu ileso.

Com o Ano Novo chegou um novo imposto – uma taxa maior na folha de pagamento. Assim, a promessa de que a classe média não seria afetada foi desrespeitada.

 

Assim como os cidadãos, as empresas também querem saber o que 2013 e o novo mandato do presidente vão trazer. Como o Sr. Obama inflige sua própria marca de guerra psicológica sobre eles – deixando-os no escuro sobre seus planos para o futuro – eles não vão ter pressa em criar empregos ou começar a contratar até que eles saibam se seus cofres financeiros serão afetados. Em essência, ambos, o povo Americano e as empresas dos EUA, são reféns detidos em 2013 que continua em seu segundo mês.

 

A atual administração parece ser de insegurança e incerteza acumulada além da luta de classes, que começou durante os últimos anos. Temos falado sobre como o presidente Barack Obama criou um estado “paternalista” de pessoas dependentes do governo para sobreviver. Isto inclui a chamada assistência “berço ao túmulo” que substitui o bem estar pelo sonho americano.

 

Esta classe “subserviente” provavelmente tem ou terão em breve do que a classe média trabalhou e se sacrificou para conseguir. Ao mesmo tempo, a Casa Branca de Obama declarou a sua própria “guerra” sobre os ricos, declarando que eles devem mais de sua “parte” em dinheiro para os cofres americanos. No mesmo fôlego, o êxito foi declarado ser ruim e a iniciativa é desaprovada. Então, onde esta classe média ficará?

 

Em um ensaio de ficção publicado em uma revista “Small Wars Journal”, uma equipe de especialistas trouxe o argumento de que o curso da instabilidade econômica e a divisão política entre a população dos EUA poderia causar a erupção de uma guerra civil nos Estados Unidos em apenas alguns anos. O ensaio, “Operações de espectro total da Pátria: Uma ‘visão’ do futuro,” não esta representada como a pura verdade, mas seus autores sugerem que uma guerra civil poderia acontecer muito mais cedo do que os americanos pensam se determinadas condições que ocorrem no país hoje persistem nos próximos anos.

 

Isso também traz Obama a uma encruzilhada. Será que ele vai permitir que o status quo continue, pondo em perigo a paz da nação? Ou ele vai mostrar liderança e, finalmente, trabalhar com os republicanos para o bem de todas as pessoas, e todas as classes?

 

A solução se encontra nos ombros de Obama.

Leave a comment