A direção da rede de restaurantes fechou as lojas de Coral Springs e Melbourne e deve encerrar as atividades da loja de Boca Raton até o final do mês de junho

 

Com o objetivo de concentrar esforços nas lojas que estão dando respostas mais rápidas, a direção da rede Shrimp House decidiu fechar as portas das lojas de Coral Springs e Melbourne e vai fechar também a loja de Boca Raton. Em contrapartida, a rede está investindo no fortalecimento das lojas mais rentáveis que estão localizadas no Sawgrass Mills, em Broward, e no Dadeland Mall, em Miami, e no International Mall, em Doral, ambas no condado de Miami Dade.

Segundo o gestor da rede Shrimp House nos EUA, Carlo Barbieri, “o ajuste foi necessário, uma vez que o sócio brasileiro desistiu de continuar investindo nas operações americanas”.

Ele destacou também as peculiaridades existentes entre os mercados brasileiro e americano, um fator que o ex-sócio brasileiro não compreendeu e preferiu desistir de investir aqui, deixando assim toda operação nos EUA,.

Em vez de se queixar da situação, o empresário está aproveitando a oportunidade para readequar-se ao mercado local.  Barbieri salientou ter identificado alguns problemas que serviram como entrave à receptividade da rede Shrimp House, em um primeiro momento, tal como nomenclatura de produtos, cardápio muito extenso e preços.

Barbieri esclarece a diferença de conceitos entre os frequentadores de shopping mall no Brasil e nos EUA: “No Brasil, as pessoas vão ao mall como um programa, enquanto nos EUA os frequentadores vão ao local para fazer compras. Diante dessa realidade, a base de consumidores dos restaurantes nas praças de alimentação dos malls nos EUA é formada principalmente pelos funcionários que trabalham nas lojas, assim, o preço e a rapidez são dois elementos fundamentais para a viabilidade do negócio”.

Ainda dentro da adaptação ao mercado local, os responsáveis pelo cardápio introduziram novos itens no menu da Shrimp House, tal como ceviches, sanduíches, sopas e petiscos. “Percebemos ter havido uma boa receptividade dos clientes nos malls de Doral, Kendall e Sawgrass, mais frequentado pelo público latino. Decidimos, portanto, investir nas criações próprias em vez de trazer o cardápio estipulado pelo ex-sócio brasileiro. Desta forma, conseguimos agradar o paladar dos consumidores locais e tornamos nossa operação mais econômica e pudemos assim repassar esse benefício aos nossos clientes, oferecendo produtos saborosos e de qualidade a preços acessíveis”, finalizou Carlo Barbieri.

Atualmente, ele está em busca de um grupo que queira investir na consolidação da Shrimp House, considerando a solidez econômica da empresa, e o aprendizado obtido daquilo que o público deseja e daquilo que pode ser oferecido, como uma alternativa de comida à base de frutos do mar e peixes. E no novo plano de negócios também deverão ser abertos restaurantes em áreas externas e não mais somente nos malls.

ÚLTIMOS ARTIGOS

Economia Americana como aliada – Correio Braziliense

Artigo publicado originalmente no jornal Correio Braziliense. English version below: Economia como Aliada: “Trump mostrou-se uma pessoa tenaz em sua luta, mas que não gozava de grande simpatia dentro(...)

face linkedin twitter whatsapp

Jovem Pan entrevista presidente do Oxford Group sobre eleições americanas.

Unfortunately the interview is only available in Portuguese. Thank you for you comprehension. No dia 19 de junho a Jovem Pan ao vivo entrevistou o advogado e economista Carlo(...)

face linkedin twitter whatsapp

Visão Conservadora Sobre Como Administrar a Burocracia do Estado

Matéria publicada originalmente no jornal Boca Raton Tribune English version below! Quando o primeiro ano de mandato do presidente Donald Trump estava chegando ao fim, final de 2017, ficou(...)

face linkedin twitter whatsapp
ArabicChinese (Simplified)Chinese (Traditional)EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish