luizc2Matéria publicada na Revista Comex do Brasil por Luiz Claudio Silka – Consultor do Grupo Oxford

A China é conhecida já a alguns anos como a “grande fábrica do mundo”, um grande celeiro de oportunidades tanto para empresas que buscam reduzir seus custos e fomentar seus negócios comprando produtos chineses de qualidade e com preços competitivos, como também novos empreendedores que estão no começo de suas atividades.

Entretanto, algumas precauções devem ser tomadas pelos empresários brasileiros antes de se iniciar os negócios com a China, visando o maior aproveitamento possível das relações a serem estabelecidas com os futuros parceiros. Desde as reformas econômicas que Deng Xiaoping implementou, a China tem alcançado altas taxas de crescimento sendo que ao longo dos últimos 22 anos, esse crescimento médio tem sido de 10% ao ano.

Isso tem a ver em grande parte com o modelo de crescimento econômico apoiado sobre a facilitação, por meio do Governo chinês, para as exportações de manufaturados primários. Essa facilitação foi feita com base em elevados investimentos em infraestrutura, inovação tecnológica, estímulos tributários ao setor industrial e também à desvalorização cambial e à relativa mão-de-obra com custos reduzidos.

Tudo isso faz da China um modelo surpreendente e literalmente revolucionário de desenvolvimento comercial que mudou o cenário desse país em menos de quatro décadas.

No caso do empresário brasileiro que deseja fazer negócios com a China, este deve considerar as diferenças nas relações comerciais entre brasileiros e chineses. Elas determinam formas diferentes no que tange à estruturação das empresas e às negociações.

A China está muito longe do Brasil, sendo que falhas na identificação de parceiros e produtos adequados, quase sempre geram problemas nas compras do país asiático.

Os problemas que muitas vezes acontecem são muitos, variando entre fornecedores ineficientes, produtos não adequados e ainda documentação mal elaborada e muitas vezes errada. Estas estão entre as maiores causas de reclamações por parte dos empresários brasileiros em relação à China.

Por isso é muito importante antes de buscar fornecedores chineses em sites de busca na internet e ir diretamente à Feiras na China, é fundamental observar se aquelas empresas são realmente sérias e, além disso, se os parceiros encontrados fornecem os produtos necessários, com a qualidade mínima exigida pelo importador.

Os casos de empresas que fazem maus acordos com os chineses por não terem tido cuidados básicos são inúmeros e muitas vezes o que parecia ser um grande negócio transforma-se em uma tragédia financeira.

Uma solução para isso, não só para os novatos na importação, sendo ela da China, Coreia, Vietnã ou qualquer outro país asiático muitas vezes é a triangulação via Estados Unidos. Neste caso uma companhia Trading locada nos Estados Unidos funciona como intermediária na negociação.

Normalmente esta Trading assegura ao importador que seu processo transcorra com tranquilidade e sem chances de fracasso, pois estas empresas têm grande experiência (normalmente com mais de 20 anos atuando no mercado asiático), gente especializada e eficiente que não só verifica a idoneidade do exportador, faz a inspeção da mercadoria antes do estufamento do container na origem e o que é o principal, é a responsável por toda documentação envolvida no processo.

Neste caso o importador brasileiro importa da Trading americana e não da China mas a mercadoria, já inspecionada, vem diretamente da China para o Brasil, sem parada nos Estados Unidos. Documentalmente falando quem importa da China é a Trading americana.

Este é um processo utilizado por muitas empresas brasileiras que preferem pagar por esse serviço do que ter surpresas desagradáveis. E o que se paga sempre compensa. Muitas empresas que já importam diretamente da China há anos acabam posteriormente adotando o formato da triangulação para corrigir uma série de problemas. Faz-se muito importante considerar o fato de que os Estados Unidos são o maior parceiro comercial da China e o cuidado com que os chineses tratam os americanos é indiscutivelmente diferenciado.

Então, concluindo, na teoria importar é muito bom e lucrativo, mas ter sucesso como resultado prático depende de fatores que na maioria das vezes deve-se deixar na mão dos especialistas.

ÚLTIMOS ARTIGOS

Visita de Bolsonaro aos EUA foi precipitada

Matéria publicada originalmente no jornal Poder360 Visita de Bolsonaro aos EUA foi precipitada, diz Carlo Barbieri Leia a entrevista do analista político LAURIBERTO BRASIL 19.mar.2019 (terça-feira) – 10h53 O(...)

face linkedin twitter whatsapp

DINHEIRO PARA DESENVOLVER PROJETOS E EMPRESAS NOS EUA

Publicado originalmente pelo Jornal Foco America   Dinheiro para desenvolver projetos e empresas nos EUA Os Estados Unidos, é sem dúvida, o país do mundo que mais tem seu(...)

face linkedin twitter whatsapp

Política econômica americana deve pautar encontro entre Trump e Bolsonaro nos EUA

Matéria originalmente publicada no Jornal Comex Do Brasil. Brasília – A relação entre Estados Unidos e Brasil está a poucos dias de ganhar novos capítulos. O encontro entre Jair(...)

face linkedin twitter whatsapp