Com o argumento de que o programa nuclear do Irã é uma ameaça ao mundo, e não só a Israel, o vice-cônsul de Israel em São Paulo, Amit Mekel, defende que o governo brasileiro de Dilma Rousseff reforce as iniciativas da comunidade internacional para impedir que o país persa adquira armas atômicas.

“Se o Brasil tem um bom canal de comunicação com o Irã, esperamos que o utilize para conversar com suas autoridades e dissuadi-las”, disse em entrevista ao iG o druso Mekel, o primeiro diplomata israelense no Brasil que não é judeu.

Questionado se a ameaça de Israel de atacar o Irã não poderia isolar mais o país no Oriente Médio e em relação ao governo americano de Barack Obama, que em ano eleitoral vem pedindo que se dê mais tempo para que assanções tenham efeito, Mekel é conciso. “Em discurso (em 4 de março), Obama reafirmou que todas as opções estão sobre a mesa em relação ao Irã e que Israel e os EUA têm laços inquebráveis.”

Falante de hebraico, inglês e árabe, o vice-cônsul chegou ao Brasil em dezembro depois de servir no Egito, de onde teve de partir com sua família após a invasão da Embaixada de Israel no Cairo em setembro, sete meses após a quedado egípcio Hosni Mubarak em meio à Primavera Árabe.

Sobre as consequências que os levantes populares contra autocracias do Oriente Médio e do norte da África terão na região e em Israel, Mekel é cauteloso. “Estamos em um momento em que precisamos de paciência, em que só podemos esperar pelo melhor na região. Tudo é muito novo. E a escolha do que fazer será dos países árabes.”

Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista que concedeu ao iG.

iG: Em 2010, o Brasil tentou mediar uma solução para o impasse sobre o programa nuclear do Irã, mas não obteve sucesso. Qual papel o Brasil poderia desempenhar agora?
Amit Mekel: O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse diversas vezes que Israel não aceitará um Irã com armas nucleares. Esse é um problema mundial, não só de Israel. Nesse sentido, esperamos que o Brasil, que é um país importante no mundo, una-se aos esforços da comunidade internacional para evitar que Teerã adquira armas atômicas.

iG: Desde que Dilma assumiu a presidência, há sinais de distanciamento na relação entre o Brasil e o Irã. O senhor concorda com isso?
Mekel: Essa é uma questão privada do governo brasileiro. Mas se o Brasil tem um bom canal de comunicação com o Irã, esperamos que o utilize para conversar com suas autoridades e dissuadi-las de obter armas atômicas. Brasil e Israel vêm cooperando em vários setores, e esperamos que nossa relação continue crescendo. Temos boa cooperação em questões econômicas, culturais. Na semana passada, o vice-chanceler israelense, Danny Ayalon, visitou o País. Com a Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas em 2016, esperamos que aumente o número de companhias israelenses aqui, que hoje atuam nas áreas de comunicação, segurança, agricultura, tecnologia.

iG: Não seria fácil para Israel lançar um ataque contra as instalações nucleares do Irã sem a ajuda dos EUA. Apesar disso, Israel sempre declara ter o direito de adotar uma ação unilateral contra o Irã. Ao fazer isso, Israel não arrisca ficar mais isolado no Oriente Médio e também prejudicar sua relação com os EUA?
Mekel: Em discurso no Comitê de Assuntos Públicos Estados Unidos-Israel (Aipac, na sigla em inglês), Obama reafirmou que todas as opções estão sobre a mesa em relação ao Irã. Também reafirmou que Israel e os EUA têm laços fortes, inquebráveis. Isso é o que falarei sobre esse assunto.

iG: Sim, Obama sempre diz que a opção militar não foi descartada, mas este é um ano eleitoral, e uma ação militar agora é vista como potencialmente prejudicial à sua campanha de reeleição. A pressão israelense não seria prejudicial para a relação dos dois países?
Mekel: Não podemos pressionar os EUA. Sempre se fala da força da comunidade judaica nos EUA, mas não podemos forçar o país a fazer o que não quer.

 

Foto: AP

Equipes observam carro da Embaixada de Israel em Nova Délhi que foi alvo de explosão em 13/2

iG: No dia 14, o Azerbaijão disse ter prendido 22 supostos espiões contratados pelo Irã para lançar ataques contra embaixadas de Israel e EUA. Em fevereiro, Netanyahu culpou o Irã e o grupo libanês Hezbollah pelo ataque a um carro diplomático israelense e por uma ação frustrada na Géorgia. Há temores de planos similares contra alvos de Israel na América Latina, incluindo o Brasil?
Mekel: Há um sentimento de medo por esses fatos recentes, que primeiramente aconteceram na Tailândia. Mas confiamos na polícia federal brasileira.

iG: Apesar do distanciamento em relação ao Irã, o Brasil tem uma política de apoio à causa palestina e no ano passado apoiou a tentativa frustrada do presidente Mahmud Abbas de tentar o reconhecimento de um Estado palestino na ONU.
Mekel: O único caminho para se alcançar um Estado palestino é por meio da negociação direta. O premiê israelense defende a solução de dois Estados e reiterou essa posição em seu discurso na ONU no ano passado. Ele foi o primeiro-ministro de Israel a congelar as construções dos assentamentos por dez meses (no território palestino da Cisjordânia, entre novembro de 2009 e setembro de 2010), convidou Abu Mazen (apelido pelo qual é conhecido o presidente palestino) para dialogar pessoalmente em qualquer lugar de sua escolha. A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, reconheceu que Netanyahu fez várias tentativas para conseguir a negociação. Durante os últimos anos, Israel fez várias propostas de paz que foram rechaçadas pelos palestinos.

iG: Houve o congelamento, mas as construções na Cisjordânia foram retomadas, e a suspensão completa da expansão dos assentamentos é a principal condição dos palestinos para retomar as negociações.
Mekel: Os assentamentos nunca foram obstáculo para a paz. Israel negociou a paz com o Egito e retirou seus militares e civis da Península do Sinai em 1979 (território ocupado durante a Guerra dos Seis Dias de 1967), depois da assinatura dos acordos de Camp David. Também alcançamos a paz com a Jordânia em 1994. Retiramos os assentamentos e os militares da Faixa Gaza em 2005. Então a única solução é a negociação direta. Mas não concordamos com o acordo de reconciliação entre o Hamas, que é considerado terrorista por parte da comunidade internacional, e a Autoridade Palestina de Abbas. Só  aceitaremos o Hamas na mesa de negociações quando aceitar o direito de existência de Israel,  desarmar-se, parar de defender a jihad (guerra santa), como fazem em seu manifesto, e aceitar os Acordos de Oslo de 1993.

Infográfico: Saiba os principais fatos do conflito entre Israel e palestinos

iG: Mas essa posição de confronto do Hamas contra Israel não seria reforçada pelo bloqueio a Gaza e o uso de força desproporcional em retaliação ao lançamento de foguetes a partir de Gaza contra o sul de Israel?
Mekel: O que se faria aqui se houvesse lançamento de foguetes, se 1 milhão de pessoas pudessem ser atingidas? Acho que a população daqui gostaria que fosse usada a maior força possível para impedir esses tipos de ataques. Quanto ao bloqueio, a ONU reconheceu que ele é legal no ano passado, já que o objetivo é evitar que o Hamas se arme e ataque Israel.

 

Foto: AFP

Manifestantes retiram bandeira israelense da embaixada no Cairo em 9/9. Vice-cônsul veio ao Brasil após partir do Egito por causa de invasão de missão diplomática

iG: Com a Primavera Árabe, as coisas mudaram para Israel no Oriente Médio. No caso dolevante sírio, apesar de o presidente Bashar al-Assad ser aliado do Irã e do Hezbollah, o regime mantém a fronteira tranquila desde 1973 mesmo com a ocupação israelense das Colinas do Golan. Qual seria o impacto de uma eventual destituição de Assad para Israel?
Mekel: É uma nova era no Oriente Médio, em que esses países lutam pela democracia em um processo difícil. Na Síria, é inacreditável a quantidade de mortos, e a comunidade internacional não vem conseguindo fazer muita coisa. Israel já ofereceu ajuda humanitária, como alimentos, medicamentos. Mas não há como prever o que acontecerá. No Egito, por exemplo, não havia como antecipar que (Hosni) Mubarak cairia em tão pouco tempo. Mas não sabemos o que acontecerá no Egito, quem será o novo presidente, quem será o novo chanceler. Israel está comprometido em manter o tratado de paz, e a Irmandade Muçulmana e os salafistas já declararam que também têm esse objetivo. Mas estamos em um momento em que precisamos de paciência, em que só podemos esperar pelo melhor na região. Tudo é muito novo. E a escolha do que fazer será dos países árabes.

Source: Último Segundo

ÚLTIMOS ARTIGOS

Economia Americana como aliada – Correio Braziliense

Artigo publicado originalmente no jornal Correio Braziliense. English version below: Economia como Aliada: “Trump mostrou-se uma pessoa tenaz em sua luta, mas que não gozava de grande simpatia dentro(...)

face linkedin twitter whatsapp

Jovem Pan entrevista presidente do Oxford Group sobre eleições americanas.

Unfortunately the interview is only available in Portuguese. Thank you for you comprehension. No dia 19 de junho a Jovem Pan ao vivo entrevistou o advogado e economista Carlo(...)

face linkedin twitter whatsapp

Visão Conservadora Sobre Como Administrar a Burocracia do Estado

Matéria publicada originalmente no jornal Boca Raton Tribune English version below! Quando o primeiro ano de mandato do presidente Donald Trump estava chegando ao fim, final de 2017, ficou(...)

face linkedin twitter whatsapp
ArabicChinese (Simplified)Chinese (Traditional)EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish