Matéria publicada originalmente no jornal Boca Raton Tribune

English version below!

Quando o primeiro ano de mandato do presidente Donald Trump estava chegando ao fim, final de 2017, ficou claro que o executivo-chefe havia feito progressos significativos em sua promessa de campanha para reduzir a burocracia federal – uma poda que os conservadores acham que é muito atrasada. Ao chegarmos ao meio do terceiro ano de Trump no Salão Oval, podemos ver como ele reduziu a força de trabalho federal a níveis não vistos em décadas.

 

No final de setembro de 2017, todas as agências do Gabinete, exceto Segurança Nacional, Assuntos Veteranos e Interior tinham menos funcionários permanentes do que quando Trump assumiu em janeiro, com a maioria dispensando centenas de funcionários, de acordo com uma análise de dados federais conduzidos pelo jornal Washington Post.

A redução das tomadas de digitais federais se reverteram num aumento nas contratações ocorridas durante o governo Obama.

Na verdade, décadas de expansão incessante do tamanho e escopo do governo federal criaram uma burocracia nacional inchada e ineficaz, repleta de agências e escritórios com funções sobrepostas.

As obras da burocracia federal, feitas ao acaso, não só eram caras, como tornavam menos rígida a burocracia governamental que retardava o processo de conquista, tornavam os serviços de gestão menos eficientes e levavam a uma multiplicidade de decisões fracassadas causadas pela disseminação de tarefas simples entre agências variadas.

O plano de Trump começou com o longo processo de reorganização da burocracia federal, através do enxerto de agências que fazem trabalhos semelhantes e escritórios de poda que sobreviveram à sua utilidade.

O esforço do governo para reformular a força de trabalho de quase dois milhões de funcionários públicos já aborreceu e enfureceu alguns funcionários federais que temem que seus empregos possam ser eliminados por meio de aquisições e ofertas de aposentadoria antecipada. No entanto, a Casa Branca, em um comunicado, disse que Trump “está comprometido em simplificar o governo para o século 21, reduzindo o inchaço, a duplicação e o desperdício e concentrando recursos nas principais prioridades, como segurança pública e proteção da pátria”.

Conservadores que há muito pressionam por governos menores são aplaudidos pelos acontecimentos. “Isso está indo muito bem”, disse o ativista anti-impostos Grover Norquist.

“Lento e firme – apesar de toda a arrogância, é assim que você reduz o tamanho do governo sem gerar um contragolpe”, acrescentou.

 

Trump já deu início a reversão do crescimento que ocorreu durante a era Obama, quando o governo acrescentou um total de 188.000 funcionários permanentes, de acordo com dados do Office of Personnel Management (Escritório de Gerenciamento de Pessoal). Até o final de setembro de 2017, o governo federal tinha 1,94 milhão de trabalhadores permanentes, uma queda de quase 16 mil no total desde o início do ano, de acordo com as informações mais recentes do OPM.

 

Durante os primeiros seis meses do ano de entrada presidencial de Trump, 71.285 funcionários de carreira desistiram ou se aposentaram. São mais de 50 mil que partiram no mesmo período de 2009, o primeiro ano de Obama na presidência do executivo-chefe, de acordo com os dados mais recentes do OPM.

 

“Eu digo ao meu pessoal: ‘Onde você não precisa preencher vagas, não as preencha'”, disse o presidente à apresentadora de rádio conservadora Laura Ingraham em novembro de 2017.

 

A Heritage Foundation, em um relatório, disse que um ano atrás, este mês, o presidente apresentou uma proposta ambiciosa para realinhar as autoridades no Capitólio no século 21; isto é, para eliminar as antigas ineficiências de um gigante construído para uma era que já passou.

 

O plano oferecia uma compreensão do papel do governo em uma sociedade adequada à vida contemporânea, que poderia ter repercussões reverberantes mesmo depois que esse presidente deixasse o poder – se a Casa Branca deixasse de lado a política.

Entre as 32 sugestões apresentadas no documento estão:

 

Muitos deles são bem intencionados, mas os obstáculos persistem. Apenas seis meses antes de 2019, vimos como é difícil para um Congresso com uma maioria democrata na Câmara e uma vantagem do Partido Republicano no Senado para agir em consenso em qualquer projeto de lei ou medida, ainda sozinho em sugeridas fusões do governo. Com uma eleição presidencial a aproximar-se em 2020, os olhos democratas estão a vencer ou a remover Trump.

Embora seja um plano visionário, pode muito bem ser sufocado pelo sistema que procura o consertar. Além disso, uma proposta tão abrangente, embora refrescantemente ambiciosa, contém necessariamente pontos fracos e permanece aberta a críticas. E os oponentes do presidente certamente não são tímidos para expressar essas críticas em frases e gritos pré-eleitorais.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Conservative Vision About Managing State Bureaucracy

As President Donald Trump’s first year in office was coming to a close in late 2017, it became clear that the chief executive had made significant progress on his campaign pledge to shrink the federal bureaucracy – a pruning conservatives feel is long overdue. As we reach the middle of Trump’s third year in the Oval Office, we can see how he has brought the federal workforce down to levels not seen in decades.

 

By the end of September 2017, all Cabinet agencies except Homeland Security, Veterans Affairs and Interior had fewer permanent staff than when Trump took office in January, with most shedding many hundreds of employees, according to an analysis of federal personnel data conducted by The Washington Post.

 

The diminishing federal footprint reverses a boost in hiring that took place during the Obama era.

 

In truth, decades of ceaseless expansion of the size and scope of the federal government had created a swollen and ineffective national bureaucracy, one replete with agencies and offices with overlapping functions.

 

The haphazardly crafted works of federal bureaucracy was not only expensive, it thickened the wad of government red tape that slows the process of achievement, made management services less efficient and led to a multiplicity of failed decisions caused by the spreading of simple tasks among complex and varied agencies.

 

Trump’s plan began with the long process of rearranging the overgrown federal bureaucracy by grafting together agencies that do similar work and pruning offices that have outlived their usefulness.

 

The administration’s effort to reshape the workforce of nearly two million civil servants has already upset and angered some federal workers who fret that their jobs could be eliminated through buyouts and early retirement offers. However, the White House, in a statement, said Trump “is committed to streamlining government for the 21st century, reducing bloat, duplication and waste and focusing resources on key priorities like public safety and protecting our nation’s homeland.”

 

Conservatives who have long pushed for smaller government are cheered by the developments. “This is going very well,” said anti-tax activist Grover Norquist.

 

“Slow and steady – for all the bluster, this is how you downsize government without engendering blowback,” he added.

 

Trump has already begun to reverse the growth that occurred during the Obama era when the government added a total of 188,000 permanent employees, according to Office of Personnel Management data. By the end of September 2017, the federal government had 1.94 million permanent workers, down nearly 16,000 overall since the beginning of the year, according to the most recent OPM information.

 

During the first six months of Trump’s presidential entry year, 71,285 career employees quit or retired. That’s up from 50,000 who left during the same period in 2009, Obama’s first year in the chief executive’s chair, according to the most recent OPM data.

 

“I tell my people, ‘Where you don’t need to fill slots, don’t fill them,’” the President told conservative radio host Laura Ingraham in November 2017.

 

The Heritage Foundation, in a report, said that a year ago this month, the President introduced an ambitious proposal to realign officialdom on Capitol Hill for the 21st century; that is, to shed the old inefficiencies of a behemoth built for an era that has since passed.

 

The plan offered an understanding of government’s role in a society suited for contemporary life, one that could have reverberating implications even after this president leaves office — if the White House puts political muscle behind it.

Among the 32 suggestions proffered in the document are:

Many of these are well intentioned, but obstacles persist. Only six months into 2019, we have seen how difficult it is for a Congress with a Democratic majority in the House and a GOP edge in the Senate to act in unison on any bill or measure, yet alone on suggested government mergers. With a presidential election looming in 2020, Democratic eyes are on beating or removing Trump.

And while it’s a visionary plan, it might well be suffocated by the system it seeks to fix. Moreover, such a comprehensive proposal, while refreshingly ambitious, necessarily holds weaknesses and remains open to criticism. And the president’s opponents certainly aren’t shy to voice these criticisms in pre-election sound bites and bashes.

ÚLTIMOS ARTIGOS

Correio Braziliense destaca posicionamento do Presidente da Oxford

Opinião de Carlo Barbieri sobre a eficácia da economia americana para empresários e até para a reeleição do Presidente Trump foi publicada na edição impressa deste que é um(...)

face linkedin twitter whatsapp

Miami… a nova Wall Street do Sul

Matéria publicada originalmente no jornal Boca Raton Tribune English version below Uma lista crescente de funcionários públicos em estados com altos impostos está em estado de alerta de que(...)

face linkedin twitter whatsapp

EB-5 IRÁ MUDAR E PARECE QUE AGORA SERÁ PARA VALER

Matéria publicada originalmente na revista FocoAmerica English Version Below O governo dos EUA vem falando há muitos anos sobre a mudança dos requisitos para o programa EB-5. Houve muitos(...)

face linkedin twitter whatsapp
ArabicChinese (Simplified)Chinese (Traditional)EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish