Matéria publicada originalmente no jornal Poder360
English Version Below

Visita de Bolsonaro aos EUA foi precipitada, diz Carlo Barbieri

Leia a entrevista do analista político

O presidente da Oxford Group, Carlo Barbieri, vive nos EUA. Para ele, o também brasileiro radicado nos Estados Unidos e guru do governo, Olavo de Carvalho, é 1 “troublemaker”


19.mar.2019 (terça-feira) – 10h53

O presidente da empresa de consultoria financeira Oxford Group, Carlo Barbieri, disse, em entrevista ao Poder360, que a visita de Jair Bolsonaro aos Estados Unidos foi “marcada com precipitação”. Para ele, o Brasil precisa se entender internamente antes de firmar acordos comerciais com os Estados Unidos.

O analista político declarou que a reunião desta 3ª feira (19.mar.2019) entre Jair Bolsonaro e Donald Trump deve ser algo simbólico e com o objetivo de estreitar relações.

“O Brasil vai ter se entender internamente ante de fazer uma proposta de livre comércio. Essa visita vai ser uma manifestação de intenção, estreitamento de relações. Em termos de acordo, fora o de Alcântara, não creio que tenhamos nada de significativo”, declarou.

Barbieri, que reside nos Estados Unidos, avalia ser necessária uma maior participação de empresários para que acordos comerciais sejam efetivados entre o Brasil e os norte-americanos. “Isso tem que passar pelas negociações com o setor empresarial e ele ainda não se posicionou em relação a essa visita e não se preparou para essa negociação”, disse.

Ele critica a influência do escritor Olavo de Carvalho sobre o governo de Jair Bolsonaro. Olavo foi 1 dos convidados do jantar na casa do embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Sérgio Amaral. O evento também contou a participação de Steve Bannon, ex-estrategista da campanha de Trump. O jantar foi o 1º compromisso de Bolsonaro em Washington. Foi no domingo (17.mar).

“Há uma superposição desse senhor que se diz ideólogo da campanha do Bolsonaro e a intromissão indevida dele no governo brasileiro. Aqui nos Estados Unidos nós chamamos essas pessoas de ‘troublemakers’, pessoas que criam mais problemas do que oferecem soluções. Tem que ter humildade. Eu vejo o Olavo hoje como grande criador de problemas para a nossa política interna e externa”, afirmou.

O presidente da Oxford Group comentou com otimismo as negociações do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, com o FBI para tratar de acordos envolvendo combate à corrupção.

“Esse é 1 dos campos que já vinha sendo tratado na época que Sérgio Moro era juiz de 1ª instância. Ele conseguiu desenvolver vários acordos, várias formas de colaboração com os EUA, que estavam cerceados na área de segurança pela postura do governo dos últimos anos que não queria troca de informações com o governo americano”, declarou.

Sobre a China, o analista político elogiou a decisão de Bolsonaro em contradizer as propostas da campanha presidencial de 2018 e investir na relação com o país asiático. O presidente disse que visitará a China no 2º semestre deste ano.

“A China é o parceiro do Brasil mais importante em termos de commodity, tem tecnologia para oferecer”, disse Barbieri.

Assista à íntegra da entrevista:

Leia os principais trechos:

Poder360: Quais as expectativas para que o Brasil consiga apoio dos Estados Unidos entrar no Conselho de Segurança da ONU?
Carlo Barbieri: Esse é 1 tema que creio que não vai ser parte da pauta da principal da conversa entre eles. É provável que o assunto seja tangenciado, mas não creio que teremos uma definição com relação ao posicionamento americano sobre o tema. É do interesse da atual política americana ter dentro do Conselho 1 quadro mais confiável dentro da política americana. Como o Conselho de Segurança tem como grande dispositivo o direito de veto, acrescentar ou tirar alguém do Conselho mesmo que em caráter permanente, se esse páis não for ter o direito de veto, não importa muito. Por outro lado, as posições estão bem tomadas, isso era uma posição importante nos governos anteriores no sentido de ter 1 peso internacional maior, mas nem creio que isso seja 1 ponto importante da política externa hoje e menos ainda acredito que isso vai se tornar 1 tema que o Brasil vai voltar a se empenhar. O Brasil gastou centenas de milhões de dólares abrindo consulados e embaixadas em países que não tinham nenhum sentido comercial para nós no sentido de buscar o apoio para essa política que desejava e que seria auspiciosa. Ser membro do Conselho é uma plataforma de poder, mas não creio que isso hoje nem é parte da política prioritária do Itamaraty e não acho que os Estados Unidos vai quebrar lança por causa disso. Até porque os Estados Unidos tem interesses hoje ideologicamente indentificados com o Brasil, em função dos 2 governos terem uma postura digamos assim de direita conservadora. Nem nós sabemos se Estados Unidos vai continuar nessa postura, a política interna americana não vai ser definidas até as eleições de 2020. Nem se sente que o Brasil tenha uma confiabilidade ideológica de médio e longo prazo, basta ver que mesmo na luta contra a corrupção que é uma unanimidade nacional, de repente o Supremo toma uma medida que coloca em risco a credibilidade do Brasil no combate à corrupção. O Brasil ainda está em uma fase de teste para saber se ele se consolida como país democrático. A própria disponibilidade financeira do Estado depende muito da luta contra a corrupção. Eu não creio que esse assunto venha a representar nada significativo na conversa, pelo menos nesse momento.

Acha que podem ser definidos acordos efetivos ou deve ser uma conversa simbólica entre 2 chefes de Estados?
Essa última parte está muito condizente com a realidade. A visita foi marcada com muita precipitação. Havia uma necessidade de manifestação de identidade entre os países. Não creio que tenhamos nenhuma decisão de fato por vários motivos. Primeiro porque durante mais de 16 anos a política do Itamaraty foi feita para o fortalecimento da relação do Hemisfério Sul. Os Estados Unidos esteve fora de pauta por 16 anos e isso a gente vê no comércio, os Estados Unidos que representava 26% no comércio brasileiro, hoje representa 1 pouca mais que 10%. Segundo lugar, temos que a pauta exportadora brasileira foi inchada positivamente na área do agronegócio, mas ela definhou na área de produtos industrializados.Os Estados Unidos representou durante 1 grande tempo o papel demandante de produtos industrializados e semi-elaborados. Na época que houve a decisão do 1º governo Lula de tirar os Estados Unidos da pauta, a exportação de manufaturados semi-elaborados para os EUA representava mais de 70%. A mudança da política externa brasileira passa uma estruturação de vários acordos, fechamento de acordos comerciais bilaterais, isenção de tarifas para produtos brasileiros de uma maneira significativa que vai fazer com que o Brasil também venha a isentar os produtos americanos para se chegar a 1 acordo de comércio entre os países que seria o desejável, como foi no Chile, na Colômbia, que foram países que dobraram e até triplicaram o comércio com os EUA. Isso tem que passar pelas negociações com o setor empresarial e ele ainda não se posicionou em relação a essa visita e não se preparou para essa negociação. Claro que nessa ocasião vamos ter 1 balanceamento entre aqueles que querem aumentar a exportação e precisam dela como o setor industrial e aqueles que não querem abrir o mercado brasileiro também na área industrial para uma livre concorrência com os EUA. O Brasil vai ter de se entender internamente ante de fazer uma proposta de livre comércio. Essa visita vai ser uma manifestação de intenção e estreitamento de relações. Em termos de acordo, fora o de Alcântara, não creio que tenhamos nada de significativo.

Qual as vantagens o Brasil teria se for mesmo aliado preferencial fora da Otan?
Isso significa muito. Dentro dos acordos comerciais americanos, ser 1 parceiro preferencial fora da Otan significa bastante. Desde o governo anterior, os Estados Unidos tinham aberto a possibilidade do Brasil entrar no Global Entry, que é a possibilidade de entrar nos Estados Unidos sem passar pela imigração. O visto dele é pré-aprovado para múltiplas entradas. Isso facilita muito o comércio. Nos acordos comerciais, o país passa a ter preferência tarifária, passa a ter aportes mais substanciais e abertura na transferência de tecnologia. Nós esperamos que isso saia nessa viagem.

Além das questões comerciais, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, tem reuniões com o FBI. O senhor acha que podem sair acordos efetivos na área de segurança e inteligência?
Acredito que sim. Esse é 1 dos campos que já vinha sendo tratado na época que Sérgio Moro era juiz de 1ª instância. Ele consesguiu desenvolver vários acordos, várias formas de colaboração com os EUA, que estavam cerceados na área de segurança pela postura do governo dos últimos anos que não queria troca de informações com o governo americano. Na medida que esse acordo seja firmado e Sério Moro já tem 1 pacote de acordos pronto, vamos ganhar muito em termos de troca de informação, principalmente no combate à corrupção. OS EUA tem uma lei muito simples, mas efetiva no combate à corrupção. Desde que o dinheiro passe por território americano, tem os EUA o direito de inveestigar e reter se for comprovado que teve origem ilícita. O Brasil até agora não está se beneficiando muito disso porque a legislação brasileira protegia o cidadão brasileiro mesmo que ele tenha praticado 1 delito. É muito difícil que algum dinheiro substancial circule pelo mundo sem passar por algum banco americano.  Esse 1º acordo que estava sendo tentado entre a Lava Jato e aquilo que foi feito em termos de Petrobras, dessa disponibilidade que a multa possa ser utilizada na luta contra a corrupção no Brasil é 1 indício das possibilidades que isso pode trazer de benefícios para o país, mas que também depende de 1 acordo bilateral porque isso vai ser discutido na Justiça e o Supremo tem se manifestado contrário a qualquer ação que venha a prestigiar a luta contra a corrupção no termos que foi feito pela Lava Jato. Quando nao houver uma definição legal, onde quem legisle sejam deputados e senadores e não o Supremo, qualquer acordo que seja firmado será importante, mas não suficiente para desenvolver essa luta contra a corrupção que o Sérgio Moro tem colocado como prioridade.

Essas reuniões com Steve Bannon podem prejudicar a aproximação entre Trump e Bolsonaro? Ele está afastado do governo Trump e já chamou o Trump Jr. de traidor.
Os sinais são negativos. Há uma superposição desse senhor que se diz ideólogo da campanha do Bolsonaro e a intromissão indevida dele no governo brasileiro. Aqui nos Estados Unidos nós chamamos essas pessoas de troublemakers, pessoas que criam mais problemas do que oferecem soluções. Tem que ter humildade. Eu vejo o Olavo hoje como grande criador de problemas para a nossa política interna e externa. Da mesma maneira que este assessor do Trump que estava presente. Acho que essa viagem é oportuna para os interesses do Brasil, mas o jantar de ontem – 17.mar- foi 1 marco que não agrada. Primeiro porque você demite previamente uma pessoa que está no exercício da função – Sérgio Amaral, embaixador do Brasil nos EUA – e desautoriza, usando obviamente a disciplica do Itamaraty de que a pessoa vai fazer o possível. Segundo, você traz para essa reunião pessoas que nem tem unanimidade da opinião do governo brasileiro e muito menos é benquista no govenro Trump. Diria que é pouco favorável a 1 bom entendimento do Bolsonaro com os EUA.

Bolsonaro também irá para Israel se encontrar com o 1º ministro no dia 31 de março. Não seria arriscado escolher uma data tão perto das eleições? Há chances de ele não ser reeleito.
O Brasil e os Estados Unidos são regimes presidencialistas nos quais a política externa é traçada naquele período de 4 anos. Teoricamente vamos ter a mesma política nos EUA por mais 2 anos e no Brasil por mais 4 anos. Israel é 1 regime parlamentarista, a composição do próximo governo vai depender das próximas eleições. Depende muito de saber se o acordo que será feito com Israel de cessão de tecnologia, se isso vai ser feito com o Estado ou governo de Israel. Nos últimos anos apredemos no Brasil o malefício de confundir Estado com a nação. A polítca interna misturou muito a política do governo estabelecido com com a política de estado. Isso aconteceu em quase todos os setores, desde empresas públicas até setores públicos, inclusive o próprio Itamaraty. Israel tem uma polítca de Estado e uma política de governo, eu não sei dizer se esse acordo que está sendo buscado será feito a nível de política de Estado, se o for, maravilha. A ideia de transformar o Nordeste em Nordeste verde é bem-vinda, precisamos de soluções de tecnologia de ponta para desenvolver nossa agricultura no Nordeste. Precisamo melhorar o padrão de vida do nordestivo para podermos implementar 1 sistema econômico favorável.

Bolsonaro demonstrou recuo em criticar as relações comerciais com a China e já disse que vai visitar o país. É positiva essa mudança de postura?
Uma das característica boas de Bolsonaro são os recuos. Vejo muita crítica ao fato que ele desdiz no dia seguinte o que disse no dia anterior. Quem mora nos EUA, sabe que isso é uma qualidade que não tem no governo americano atual. O Trump mantém o ponto de vista independete de estar certo ou errado. O Bolsonaro tem esse bom hábito de se for o caso voltar atrás. Nos dias de hoje a oposição a China é uma sandice. Primeiro que a China está pouco ligando para qualquer aspecto ideológico. O 1º país da América Latina que o país estabeleceu ligações foi com o Chile na época do Pinochet enquanto o mundo inteiro virava as costas ou ficava em uma posição de neutralidade entre a China e Taiwan. A China se estabeleceu dentro do Chile no governo mais forte da ditadura militar que tinhámos na época. Segundo lugar que a China já a 2ª maior economia do mundo e será 1ª em 1 curto espaço de tempo. Ser aliado da China é 1 ato de racionalidade. O Brasil tem que ir para China até para negociar melhor com o próprio Estados Unidos. A negociação internacional passa por balanços e contra-balanços. Se for se aliar incondicionalmente a alguém a sua capacidade de negociação diminui. Se você mantém os seus canais negociação com outros países aumenta a sua capacidade. A China é o parceiro do Brasil mais importante em termos dcommodditie e tem tecnologia para oferecer. No campo de aparelhos de telefone a China está anos-luz mais avançada que os EUA. O 5G já é 1 produto normal que a China vai desenvolver mundialmente e os EUA vai levar 1 tempo ainda nessa luta para chegar no 5G.

________________XxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxX_______________

Bolsonaro’s visit to the US has been precipitated, says Carlo Barbieri
Read the interview of the political analyst

The president of Oxford Group financial consultancy Carlo Barbieri said in an interview with Poder360 that Jair Bolsonaro’s visit to the United States was “marked with haste.” For him, Brazil needs to understand itself internally before entering into trade agreements with the United States.

The political analyst said that the meeting of this Monday (March 19,2020) between Jair Bolsonaro and Donald Trump should be something symbolic and with the aim of strengthening relations.

“Brazil will have to understand itself internally before making a free trade proposal. This visit will be a manifestation of intention, closer relations. In terms of agreement, apart from Alcântara, I do not think we have anything significant, “he said.

Barbieri, who resides in the United States, considers that a greater participation of businessmen is necessary for trade agreements to be made between Brazil and the United States. “This has to go through negotiations with the business sector and he has not yet positioned himself in relation to this visit and has not prepared for that negotiation,” he said.

He criticizes the influence of the writer Olavo de Carvalho on the government of Jair Bolsonaro. Olavo was one of the dinner guests at the home of Brazil’s ambassador to the United States, Sérgio Amaral. The event also featured Steve Bannon, former strategist for Trump’s campaign. Dinner was Bolsonaro’s 1st commitment to Washington. It was on Sunday (17.mar).

“There is a superposition of this gentleman who calls himself an ideologue of the Bolsonaro campaign and his undue intrusion into the Brazilian government. Here in the United States we call these people troublemakers, people who create more problems than offer solutions. You have to be humble. I see Olavo today as a great creator of problems for our domestic and foreign policy, “he said.

The chairman of the Oxford Group optimistically commented on negotiations between Justice and Public Security Minister Sergio Moro and the FBI to deal with anti-corruption deals.

“This is one of the fields that was already being treated at the time that Sergio Moro was a judge of first instance. He has managed to develop various agreements, various forms of collaboration with the US, which have been curtailed in the area of security by the government’s stance in recent years that did not want to exchange information with the US government, “he said.

On China, the political analyst praised Bolsonaro’s decision to contradict the proposals of the 2018 presidential campaign and to invest in the relationship with the Asian country. The president said he will visit China in the second half of this year.

“China is Brazil’s most important partner in terms of commodity, it has the technology to offer,” Barbieri said.
Read the main excerpts:

Power360: What are the expectations for Brazil to get US support to join the UN Security Council?
Carlo Barbieri: This is 1 theme that I believe will not be part of the main agenda of the conversation between them. The subject is likely to be tangential, but I do not think we will have a definition regarding American positioning on the subject. It is in the interest of current American policy to have within the Council a more reliable framework within American politics. As the Security Council has as its great right the right of veto, to add or remove someone from the Council even if on a permanent basis, if that country does not have the right of veto, it does not matter much. On the other hand, positions are well taken, this was an important position in previous governments to have a greater international weight, but I do not even believe that this is an important point of foreign policy today and less still believe that this will become 1 a theme that Brazil will once again be committed to.

Brazil spent hundreds of millions of dollars opening consulates and embassies in countries that had no business sense for us to seek support for this policy that it wanted and would be auspicious. Being a member of the Council is a platform of power, but I do not believe that today is not even part of the Itamaraty’s priority policy and I do not think the United States will break the ladder because of that. Even because the United States has interests today ideologically identified with Brazil, because the two governments have a posture so to speak of conservative right. Nor do we know if the United States will continue in this position, US domestic politics will not be defined until the 2020 elections.

Nor does it feel that Brazil has medium- and long-term ideological reliability, it is enough to see that even in the fight against corruption which is a national unanimity, the Supreme Supreme Court suddenly takes a measure that puts Brazil’s credibility in the fight against corruption at risk. Brazil is still in a test phase to know if it is consolidated as a democratic country. The very financial availability of the state depends very much on the fight against corruption. I do not think this subject will represent anything meaningful in the conversation, at least at this point.

Do you think that effective agreements can be defined or should it be a symbolic conversation between two heads of state?
This last part is very much in keeping with reality. The visit was marked with great haste. There was a need for expression of identity between countries. I do not think we have any de facto decisions for several reasons. First, because for more than 16 years the Itamaraty’s policy was made to strengthen the relationship of the Southern Hemisphere. The United States has been off the agenda for 16 years and this we see in trade, the United States that represented 26% in Brazilian trade , today represents 1 little more than 10%. Second, we have that the Brazilian exporter rate was positively swelled in the area of agribusiness, but it shrank in the area of industrialized products.

The United States represented for a great time the demanding role of industrialized and semi-elaborated products. At the time of the decision of the first Lula government to remove the United States from the tariff, the export of semi-manufactured manufactures to the United States represented more than 70%. The change in Brazilian foreign policy involves a structuring of several agreements, closure of bilateral trade agreements, tariff exemptions for Brazilian products in a meaningful way that will make Brazil also exempt American products in order to reach a between countries that would be desirable, as it was in Chile, Colombia, which were countries that doubled and even tripled trade with the United States. This has to go through negotiations with the business sector and he has not yet positioned himself in relation to this visit and has not prepared for that negotiation.

Of course on this occasion we will have a balance between those who want to increase exports and need them as the industrial sector and those who do not want to open the Brazilian market also in the industrial area for free competition with the US. Brazil will have to understand itself internally before making a free trade proposal. This visit will be a manifestation of intention and closer relations. In terms of agreement, apart from Alcantara, I do not think we have anything significant.

What advantages would Brazil have if it were even a preferential alliance outside NATO?
It means a lot. Under US trade agreements, being a preferred partner outside NATO means a lot. Since the previous administration, the United States had opened the possibility of Brazil entering the Global Entry, which is the possibility of entering the United States without going through immigration. His visa is pre-approved for multiple entries. This greatly facilitates trade. In trade agreements, the country has a tariff preference, more substantial contributions and openness in technology transfer. We hope this goes on this trip.

In addition to trade issues, the Minister of Justice and Public Security, Sergio Moro, has meetings with the FBI. Do you think that effective agreements can be reached in the area of security and intelligence?
I believe so. This is one of the fields that had already been treated at the time that Sergio Moro was judge of the first instance. He agreed to develop various agreements, various forms of collaboration with the United States, which were curtailed in the area of security by the government’s stance in recent years that did not want to exchange information with the US government. As long as this agreement is signed and Sério Moro already has 1 package of agreements ready, we will gain much in terms of information exchange, especially in the fight against corruption.

The US has a very simple but effective law in the fight against corruption. As long as the money passes through US territory, the United States has the right to investigate and retain if it is proven to have been of illicit origin. Brazil has not benefited much from this so far because Brazilian legislation protects the Brazilian citizen even if he has committed 1 offense. It is very difficult for some substantial money to circulate around the world without going through some American bank. This first agreement that was being tried between Lava Jato and what was done in terms of Petrobras, of this availability that the fine can be used in the fight against corruption in Brazil is 1 indication of the possibilities that this can bring of benefits for the country , but also depends on a bilateral agreement because this will be discussed in court and the Supreme Court has been opposed to any action that would prestige the fight against corruption in the terms that was made by Lava Jato.

When there is no legal definition, where legislators are deputies and senators and not the Supreme, any agreement that is signed will be important, but not enough to develop this fight against corruption that Sergio Moro has placed as a priority.
Can these meetings with Steve Bannon hamper the rapprochement between Trump and Bolsonaro? He is away from the Trump government and has already called Trump Jr. a traitor.
Signs are negative. There is a superposition of this gentleman who calls himself an ideologue of the Bolsonaro campaign and his undue intrusion into the Brazilian government. Here in the United States we call these people troublemakers, people who create more problems than offer solutions.
You have to be humble.

I see Olavo today as a great creator of problems for our domestic and foreign policy. Just like this Trump aide who was present. I think this trip is timely for the interests of Brazil, but yesterday’s dinner – March 17. was a milestone that does not please. First of all, because you previously dismiss a person who is in the exercise of the function – Sérgio Amaral, Brazil’s ambassador to the US – and disallows, obviously using the Itamaraty’s discipline that the person will do what is possible. Secondly, you bring to this meeting people who do not even have the unanimous opinion of the Brazilian government, let alone the government of Trump. I would say that it is unfavorable to a good understanding of Bolsonaro with the United States.

Bolsonaro will also go to Israel to meet with the prime minister on March 31. Would it not be risky to choose a date so close to the elections? There are chances that he will not be re-elected.

ÚLTIMOS ARTIGOS

Porquê seus filhos merecem uma melhor chance.

Temos visto com tristeza a decadência do ensino público no Brasil e, ao mesmo tempo o aumento dos custos do ensino particular com uma infeliz ideologização crescente. Enquanto isto,(...)

face linkedin twitter whatsapp

Aposentar em Dólar

Matéria publicada originalmente na revista FocoAmerica English Version Below Se a aposentadoria está cada vez mais distante de representar uma tranquilidade para os brasileiros, a possibilidade de ter uma(...)

face linkedin twitter whatsapp

Imigração em um piscar de olhos: os EUA encorajam emigrados legais Para ajudar no crescimento de empregos (vistos de EB); ajudar a economia do país

Matéria publicada originalmente no jornal BocaRatonTribune English version Below Os Estados Unidos foram moldados positivamente por sucessivas ondas de imigrantes, desde a época dos colonos originais até a era moderna.(...)

face linkedin twitter whatsapp
ArabicChinese (Simplified)Chinese (Traditional)EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish