Visto de investidor, uma boa alternativa!

Materia publicada na globo.com 

07-19O governo dos Estados Unidos pode dobrar o valor do investimento para empresários que queiram residir no país, por meio do programa de vistos para investidores.

Consultores e advogados avaliam que houve um aumento na quantidade de pedidos de visto para residência nos EUA, apresentados por brasileiros com perfil empresarial, junto ao Departamento de Imigração norte-americano.

A mudança sobre o valor de investimento faz parte de um projeto de lei que será analisado pelo Congresso em setembro, para rever o Programa EB-5 (nome técnico do visto de investidores).

O visto concede autorização de residência permanente para investidores (Green Card). Se a alteração for aprovada, o investimento poderá passar de US$ 500 mil para algo entre US$ 925 mil e US$ 1,3 milhão.

O projeto para dobrar o valor do investimento para o visto de residência permanente de investidores nos Estados Unidos vem ocasionando aumento de aplicações por brasileiros. A previsão deste salto no valor a ser investido é o principal motivo para o aumento da procura, segundo especialistas ouvidos pela Agência Brasil. Mas, além do preço mais alto, podem ser votadas ainda mudanças significativas no formato atual dos projetos de investimentos que possibilitam a residência permanente nos Estados Unidos.

O economista e consultor Carlo Barbieri, que atua há 15 anos na área de internacionalização de investimentos no país, afirmou que tem observado um aumento substancial na quantidade de interessados brasileiros, bem como no volume de projetos em andamento.

Barbieri já preparou mais de 400 projetos de investimento junto a parceiros nos Estados Unidos para este tipo de visto.

“Tenho acompanhado a moda do EB-5 chegar ao Brasil. Uma década atrás, tínhamos menos de 15 centros regionais e projetos insuficientes para usar toda a disponibilidade de vistos disponíveis. Hoje, são mais de 700 centros regionais e mais de mil projetos em andamento”, explica.

Os centros regionais EB-5 são organizações público-privadas, credenciadas junto ao Serviço de Cidadania e Imigração Estados Unidos para supervisionar projetos ligados ao visto de investimento EB-5.

Segurança e risco
Com o aumento da procura, o especialista avalia que é importante cuidar da elaboração dos projetos. “Uma proposta de EB-5 deve ser bem fundamentada e comprovar sua viabilidade não só no quesito investimento, mas também na geração de empregos e riqueza para os Estados Unidos”, afirma.

Barbieri diz que a nova lei poderá adicionar critérios para aprovação, tornando-a mais complexa. Para ele, é importante encontrar respostas para questões que darão segurança ao projeto, minimizando riscos.

“Há muitas empresas no mercado que não são idôneas e fazem promessas milagrosas”, alerta. E complementa: somente ter o dinheiro para investir “não é garantia de aprovação”.

O consultor afirma que algumas perguntas devem ser respondidas com clareza para elaborar uma proposta sólida: “Os dirigentes do projeto têm experiência no ramo do negócio? A empresa tem um histórico que dê segurança quanto ao futuro? Qual o espaço de crescimento para o ramo de atividade do empreendimento? Quais os riscos deste produto ou quais as perspectivas de longo prazo para o projeto?”.

Ele enfatiza que é essencial que o empreendimento proposto tenha reais condições de geração de emprego e viabilidade econômica e financeira.

Como funciona
O programa de vistos EB-5 dá acesso ao Green Card por meio de investimento. O investidor pode administrar um projeto ou escolher investir por meio de um centro regional autorizado. São qualificados para o programa empreendimentos nas áreas varejo, manufatura, alimentação, tecnologia, agricultura, lojas construtoras e hotéis.

O advogado brasileiro André Linhares, que atua na área de imigração nos Estados Unidos, observa um aumento na procura pelo visto. Segundo ele, muita gente que planejava dar entrada resolveu se antecipar por causa da expectativa de mudança de valores.

“Alguns investidores que já tinham o valor em vigor de US$ 500 mil, têm se apressado para aplicar. O custo aumenta muito, com o dólar em alta, se este valor sobre para US$ 1 milhão”, disse à Agência Brasil.

O advogado também explica que os centros regionais são opções muito procuradas por brasileiros. “De maneira bem simplificada, o centro regional funciona como uma espécie de banco, que aglutina os recursos para empreendimentos, de forma que depois o valor investido é retornado ao investidor”, explica.

Linhares conta ainda que o setor hoteleiro tem utilizado bastante financiamento por meio de centros regionais de investidores candidatos ao Green Card.

“Muitos deles financiam a construção de hotéis e resorts. Várias redes internacionais conhecidas têm buscado investimentos de aplicantes de EB-5, via centros regionais”, destaca.

Planejamento
A brasileira Paola Tucanduva, o marido dela e os dois filhos do casal deram entrada no EB-5 em dezembro de 2015. No Brasil, o casal era proprietário de lavanderias industriais em São Paulo e na Bahia. Ela conta que, juntos, decidiram aplicar para a residência permanente nos Estados Unidos como investidores. Na época, o  filho mais velho já estava no país com visto de estudante e cursava o ensino médio.

“Começamos a pensar que seria uma possibilidade para nossos filhos fazer faculdade nos Estados Unidos”, disse. Ela conta que a escolha foi investir em um Green Card através de um centro regional, como investidores, após vender empresas no Brasil.

Em dezembro de 2017, o processo foi aprovado e eles se mudaram para a Flórida, em janeiro deste ano. Nos Estados Unidos, Paola trabalha como coach (consultora) para empreendedores e atende via internet clientes no Brasil e nos Estados Unidos. O filho mais velho já está na faculdade e a caçula vai começar o ensino médio em agosto.

Ela diz que já na época em que aplicou havia rumores de que o visto dobraria de valor. “Já naquele tempo diziam isso, e na verdade ainda não aconteceu. E na minha opinião, não sei se de fato o Congresso aprovaria uma mudança que dificultasse a entrada de investimentos no país”, finaliza.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

The United States government can double the value of the investment for business owners who want to reside in the country, through the program of visas for investors.

Consultants and lawyers estimate that there has been an increase in the number of US residency visa applications submitted by Brazilians with a business profile to the US Immigration Department.

The change over the investment value is part of a bill that will be reviewed by Congress in September to review the EB-5 Program (technical name of the investor visa).

The visa grants permanent residence permit to investors (Green Card). If the amendment is approved, the investment could go from US $ 500,000 to something between US $ 925,000 and US $ 1.3 million.

The project to double the value of the investment for the permanent resident visa of investors in the United States has caused an increase of applications by Brazilians. The forecast of this jump in the amount to be invested is the main reason for the increase in demand, according to experts heard by Agência Brasil. But in addition to the higher price, significant changes in the current format of investment projects that allow permanent residence in the United States can still be voted on.

Economist and consultant Carlo Barbieri, who has been working in the area of investment internationalization for 15 years, said that he has seen a substantial increase in the number of Brazilian stakeholders, as well as in the volume of projects underway.

Barbieri has already prepared more than 400 investment projects with partners in the United States for this type of visa.

“I’ve been following EB-5’s way to Brazil, a decade ago, we had less than 15 regional centers and projects that were not enough to use all the available visas.Today, there are more than 700 regional centers and more than a thousand projects in progress “He explains.

EB-5 regional centers are public-private organizations, accredited to the United States Citizenship and Immigration Service to oversee projects related to the EB-5 investment visa.

Safety and risk
With the increase of the demand, the expert evaluates that it is important to take care of the elaboration of the projects. “An EB-5 proposal must be well-founded and prove its viability not only in terms of investment, but also in the generation of jobs and wealth for the United States,” he says.

Barbieri says the new law could add criteria for approval, making it more complex. For him, it is important to find answers to questions that will give security to the project, minimizing risks.

“There are many companies in the market that are not suitable and make miracle promises,” he warns. And it adds: only having the money to invest “is not a guarantee of approval”.

The consultant states that some questions need to be answered clearly to make a sound proposal: “Do project leaders have experience in the business field? Does the company have a track record of future security? “What are the risks of this product or what are the long-term prospects for the project?”

He emphasizes that it is essential that the proposed enterprise has real conditions for generating employment and economic and financial viability.

How it works
The EB-5 visa program gives access to the Green Card through investment. The investor can manage a project or choose to invest through an authorized regional center. The projects are qualified in the areas of retail, manufacturing, food, technology, agriculture, construction shops and hotels.

Brazilian lawyer André Linhares, who works in the area of immigration in the United States, sees an increase in demand for visa. According to him, many people who planned to enter have decided to anticipate because of the expectation of change of values.

“Some investors who already had the prevailing value of $ 500,000, have rushed to apply. The cost goes up a lot, with the dollar on the rise, if it goes up to $ 1 million,” he told Agência Brasil.

The lawyer also explains that the regional centers are very sought after by Brazilians. “In a very simplified way, the regional center functions as a kind of bank, which brings together resources for ventures, so that the value invested is then returned to the investor,” he explains.

Linhares also says that the hotel sector has used a lot of funding through regional centers of investors who are candidates for the Green Card.

“Many of them are financing the construction of hotels and resorts. Several well-known international networks have sought investments from EB-5 applicants via regional centers,” he points out.

Planning
Brazilian Paola Tucanduva, her husband and the couple’s two children entered the EB-5 in December 2015. In Brazil, the couple owned industrial laundries in São Paulo and Bahia. She says that together they decided to apply for permanent residence in the United States as investors. At the time, the eldest son was already in the country on a student visa and attended high school.

“We began to think that it would be a possibility for our children to go to college in the United States,” he said. She says the choice was to invest in a Green Card through a regional center, such as investors, after selling companies in Brazil.

In December 2017, the lawsuit was approved and they moved to Florida in January of this year. In the United States, Paola works as a consultant for entrepreneurs and serves customers in Brazil and the United States via the Internet. The eldest son is already in college and the youngest will begin high school in August.

She says that even at the time she applied there were rumors that the visa would double in value. “They said that back then, and it has not really happened yet. And in my opinion, I do not know if Congress would approve a change that would make it difficult for investments to enter the country, “he concludes

xxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Leave a comment