O sucesso do “nada”