https://economia.ig.com.br/2021-02-16/okonjo-iweala-devera-pacificar-comercio-mundial-diz-especialista.html

Primeira mulher, negra e africana no maior cargo da Organização Mundial do Comércio . O dia histórico para Ngozi Okonjo-Iweala, 66 anos, na última segunda-feira (15) , deu início a trajetória de desafios que a economista deve ter a frente da OMC.

O primeiro deles parece estar resolvido. O apoio dos Estados Unidos a sua candidatura abriu as portas da organização para a volta da maior economia do mundo ao bloco. Mas manter o multilateralismo em meio a polarização mundial, será um dos obstáculos da nova chefe da organização.Continua após a publicidade

“A expectativa é a mais positiva possível. É a retomada do multilateralismo em acordo. A OMC foi ambiciosa em suas propostas a ponto de serem enviáveis. Ela tem condições para fazer um ótimo mandato”, afirma o economista Carlo Barbieri.

Defensora de uma reforma ampla na OMC, Okonjo-Iweala trabalhou no Banco Mundial por 25 anos, ocupando 2° maior cargo da organização, além de ter sido ministra de Finanças da Nigéria em duas oportunidades. A nova diretora-geral da organização tem em seu currículo passagens pela Universidade de Harvard , uma das mais conceituadas do mundo, e liderou um dos programas a Organização Mundial da Saúde de luta contra a Covid-19 .

Na visão de Barbieri, as qualificações da economista nigeriana  aumentam as expectativas positivas de sua gestão.

“Ela vem com suporte mundial a favor dela na gestão da organização. Antes, havia uma resistência dos Estados Unidos ver o desenvolvimento de outros países. A Organização Mundial volta a dar valor para OMC”, diz.Continua após a publicidade

Benefícios para o Brasil

Okonjo-Iweala substitui Roberto Azevedo, que deixou o cargo em agosto do ano passado para ser vice-presidente da PepsiCo. A nova diretora-geral só assumirá a cadeira na OMC no dia 1° de março, mas já deve começar a atender as demandas dos países.

Barbieri acredita que o Brasil pode se beneficiar com a chegada da nova diretora-geral da Organização Mundial do Comércio. Ela poderá pacificar a relação entre Brasil e Estados Unidos.

“Dar continuidade na presença dele que foi sempre relevante e utilizar os Estados Unidos como plataforma de assuntos que o interessa. Cabe sempre buscar a internacionalização, para evitar que qualquer limitação, seja por ação ou omissão do Brasil, nós percamos espaço no comércio mundial”, ressalta.

O especialista afirma que a relação entre Joe Biden e Jair Bolsonaro não deve atrapalhar os planos dos brasileiros na organização. De acordo com Barbieri, a pacificação entre os dois países está cada vez mais evidente.

“As posturas do Bolsonaro antes e depois da eleição do Biden deve ser águas passadas. Os Estados Unidos estão acenando para entrar em acordos com o Brasil. Nós temos muitos mais do que fazer do que os EUA, vai depender da habilidade de negociação do governo brasileiro em desenvolver os acordos em conjunto”, complementa. 

Abrir Whatsapp
Precisa de ajuda?
Olá,
Como posso ajudá-lo?