Matéria escrita pelo presidente da Oxford Group, Carlo Barbieri, e publicada originalmente na revista Foco America

ENGLISH BELOW

O crescimento americano, baseado em seu PIB real, surpreendeu a imprensa que apostava numa dificuldade do país em manter seu ritmo de desenvolvimento.

Em termos anualizados, o último trimestre atingiu um crescimento de 2,6%, anualizado, acima dos projetados 2,2% pelos “experts” do mercado.

Este crescimento dá continuidade aos índices auspiciosos do trimestre anterior que foi de 3,4%.

Os principais fatores deste crescimento foram:

Consumo

O consumo cresceu 2,8% o que mostra o aumento da confiança do americano na economia, segurança dos empregos e aumento da renda individual.

Gasto Público

Também merece destaque o aumento do gasto (investimento)  público na área de Defesa  de 6,9% , mas que repercutiram em apenas 0,4% no total.

Cabe destacar que houve uma contração geral 5,6% nos gastos estatais (excluído a área de defesa) que foi a maior contração desde 2013, o que mostra que o governo atual está tratando de economizar o dinheiro público em despesas não produtivas.

Poupança 

Por outro lado, a taxa de poupança teve um aumento de 6,4% para 6,7% o que é auspicioso considerando o aumento do consumo.

Inflação 

Apesar da preocupação do FED com relação a inflação, que teria justificado um aumento acelerado das taxas dos títulos públicos americano, ela teve uma queda para 1,6% no último trimestre, comparado com 1,8% no trimestre anterior.

Salários

Embora não se tenha os dados finais do 4º trimestre, foi publicado a estimativa final do 3º trimestre, em que houve um aumento de U$108,4 bilhões.

Conclusão 

Apesar de ser esperado um reequilíbrio no crescimento americano, que deveria ocorrer de cada 7 a 9 anos, ainda não houve modificação no crescimento, o que creditamos as medidas fiscais que, estão atraindo de volta as sedes das grandes empresas para os EUA, mudança na politica de acordos comerciais, novos investimentos de empresas estrangeiras nos EUA e desburocratização na esfera federal.

Claro que o domínio na Câmara dos Deputados da oposição, pode levar a uma queda neste crescimento que se vê hoje.


USA GROWS MORE AND AMERICANS EARN MORE AND SAVE MORE.

US growth, based on its real GDP, surprised the press that was betting on a country’s difficulty in maintaining its pace of development.

In annualized terms, the last quarter reached an annualized growth of 2.6%, above the projected 2.2% by the “experts” of the market.

This growth continues the auspicious indexes of the previous quarter, which was 3.4%.

The main factors of this growth were:

Consumption

Consumption grew by 2.8%, reflecting an increase in American confidence in the economy, job security and an increase in individual income.

Public expenditure

Also worthy of note was the increase in public spending (investment) in the Defense area of ​​6.9%, but only 0.4% in total.

It should be noted that there was a general contraction of 5.6% in state spending (excluding the defense area) which was the largest contraction since 2013, which shows that the current government is trying to save public money on non-productive expenditures.

Savings

On the other hand, the savings rate increased from 6.4% to 6.7%, which is auspicious considering the increase in consumption.

Inflation

Despite the Fed’s concern about inflation, which would have justified an accelerated increase in US government bond yields, it fell to 1.6% in the last quarter, compared to 1.8% in the previous quarter.

Salary

Although the final figures for the fourth quarter were not available, the final estimate for the third quarter was published, in which there was an increase of U $ 108.4 billion.

Conclusion

Although we expect a rebalancing of US growth, which should occur every 7 to 9 years, there has still been no change in growth, which we believe are tax measures that are attracting large US companies back to the US, policy of trade agreements, new investments of foreign companies in the US and debureaucratization at the federal level.

Of course the dominance in the House of Representatives of the opposition, can lead to a decline in this growth that is seen today.

ÚLTIMOS ARTIGOS

PORQUÊ INVESTIR NOS EUA PODE SER MAIS RENTÁVEL QUE NO BRASIL

Matéria publicada originalmente na revista Foco America English version below! Esta é uma pergunta recorrente que merece considerações de diversas ordens: Segurança: Fatores devem e precisam ser considerados neste(...)

face linkedin twitter whatsapp

TRUMP QUER UM MILHÃO E CEM MIL IMIGRANTES POR ANO NOS EUA

Matéria publicada originalmente na revista FocoAmerica English version Below! Recentes matérias publicadas nos EUA confirmam que o presidente Trump quer manter um numero de imigrantes em torno de um(...)

face linkedin twitter whatsapp

Presidente da Oxford é entrevistado pela Radio Justiça

 Presidente da Oxford é entrevistado pela Radio Justiça , sobre a guerra comercial EUA X China, destacando as oportunidades que o Brasil tem com esta situação e a importância(...)

face linkedin twitter whatsapp
ArabicChinese (Simplified)Chinese (Traditional)EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish