https://portalmatogrosso.com.br/emprego-pandemia-e-acordos-as-prioridades-de-biden-na-economia-dos-eua/

Biden assume a presidência dos EUA com o desafio de recuperar a economia

Após  tomar posse na tarde desta quarta-feira (20) , o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden , começou o mandato revendo decisões de Donald Trump , como a saída do acordo climático de Paris e medidas econômicas tomadas pelo ex-presidente em meio à pandemia. Antes de assumir, Biden prometeu liberar um pacote de ajuda econômica de US$ 700 bilhões para os estadunidenses administrarem a crise econômica.

Mas esse não deve ser o único desafio do político mais velho a assumir a cadeira presidencial nos EUA. De acordo com o especialista em economia internacional, Carlo Barbieri, o principal obstáculo do democrata é recuperar os  empregos  durante e após a pandemia de Covid-19 .

“Ele vai enfrentar vários desafios. Primeiro para manter o econômico necessário durante a crise. Mas o maior obstáculo que enfrentará é a geração de empregos. As empresas paralisaram com a pandemia e há uma necessidade de retomar essas vagas, principalmente na área alimentícia e entretenimento”, afirmou.

Os eleitores de Biden acreditam que o presidente possa unificar o país e cumprir promessas de campanha, como liquidar a dívida de estudantes , que representa US$ 1,7 trilhão aos cofres públicos, e manter a estatização e aumentar os investimentos do sistema de saúde do país . Barbieri lembra que o democrata foi eleito por diferentes frentes nacionais e precisará lidar com as lideranças para conseguir se comprometer com as demandas.

“Ele conseguir unificar o país e recursos para cumprir as promessas, vão demonstrar as habilidades na gestão econômica do país”, ressaltou.

Entretanto, o especialista afirma que a economia norte-americana cresceu sob o domínio de Trump, mas teve colaboração do governo anterior, de Barack Obama. Um levantamento feito pela BBC aponta que Donald Trump conseguiu atingir, em 2019, a menor taxa de desemprego em 50 anos, com 3,85%. No entanto, com a pandemia de Covid-19, os americanos sofreram com a crise econômica, aumentando o índice para 8,5% em 2020.

Embora os dados de geração de vagas do republicano tenha sido considerado satisfatório, a pesquisa afirma que Obama foi o presidente que mais abriu oportunidades de emprego.

Para o especialista, Trump mostrou a potência econômica dos Estados Unidos em acordos bilaterais. 

“Os acordos internacionais foram essenciais para que o governo Trump se destacasse economicamente. Em vez de acordos multilaterais, ele conquistou acordos bilaterais, como com o Japão e a Coreia”, ressalta Barbieri

Você viu?

Leia também

“O Trump não é um líder por carisma e sim pelos resultados que apresentou. Não atoa ele teve os maiores índices de votos entre as minorias e latino-americanos nas eleições”, concluiu.

Acordos com a União Europeia e China

Biden também será desafiado pela diplomacia com outros países, principalmente a China , desdenhada durante do governo anterior. Para isso, o democrata deve negociar acordos com o presidente do país asiático, Xi Jinpin, e retomar a parceria entre as duas maiores economias do mundo.

União Europeia também deve ser o foco do novo presidente dos EUA. Após a saída do país do acordo climático de Paris e as constantes pressões econômicas contra bloco, a relação entre os norte-americanos e os europeus ficou estremecida.

“A União Europeia não viu com bons olhos as pressões econômicas de Trump, principalmente relacionada a OTAM. Isso fez com que os líderes europeus evitassem acordos amistosos com s americanos. Biden entra com a missão de reaver esses acordos e com a aprovação da União Europeia”, acredita o especialista.

Relações com o Brasil

Após a vitória nas eleições dos Estados Unidos, Joe Biden prometeu organizar uma coalizão internacional para a transferência de US$ 20 bilhões para a preservação da Amazônia . A medida não agradou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) , que sempre se opôs ao democrata e defende que não há desmatamento na floresta.

Esse é um dos motivos que devem dificultar uma relação harmoniosa entre os dois países. Outra disputa, é o interesse dos Estados Unidos em diminuir as exportações de produtos agrícolas do Brasil para reduzir a concorrência com os produtores estadunidenses. 

A entrada de Biden na Casa Branca também deve adiar os planos de Bolsonaro de inserir o Brasil na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) . A entrada no bloco dos países mais ricos do mundo foi uma promessa de Trump para o presidente brasileiro, que além de não ter sido concretizada, viu a Argentina ter preferência dos membros da organização.

“Como ele não é a favor de acordos bilaterais, provavelmente não haverá negociações com o Brasil e sim com o Mercosul. O país vai precisar de um acordo com a Argentina e encontrar alternativas para chegar no governo Biden e minimizar as desavenças entre os dois durante a campanha norte-americana”, afirma Carlo Barbieri.

“A dificuldade maior está em convencer a indústria brasileira de renunciar a tarifas protecionistas e entrar em uma movimentação de livre mercado. Essa deve ser uma negociação complicada entre os dois governos”, concluiu.

Abrir Whatsapp
Precisa de ajuda?
Aquila Oxford Group
FALE AGORA MESMO COM UM DE NOSSOS CONSULTORES!