Quando foi traçada a estratégia pela Casa Branca de facilitar, financiar e garantir a invasão da Ucrânia pelos Russos, ela tinha como principais objetivos, entre outros:

• Criar um “inimigo” externo, em termos de ajudar e obter uma “unidade nacional” prometida antes das eleições;

• Distrair a opinião pública com relação aos fracassos na política interna

• Tentar redimir o presidente das falhas na forma de saída do Afeganistão;

• Encontrar um culpado pela alta do petróleo;

• Justificar a inflacao interna;

• ·Dar um forte estímulo à indústria bélica , que tem o grande apoio do partido atualmente no poder que ficou debilitada durante a última gestão presidencial, que vinha retirando os EUA de guerras externas e evitando de fomentar ou entrar em conflitos.

Tudo caminhava bem nesse sentido:

• Foi aumentada a compra de petróleo da Rússia pelos EUA

• Retirada as objeções reais para o fornecimento de energia da Rússia para a Europa

• Foi suspensa, desmotivada e proibida mesmo proibida a produção de energia local que levou os EUA a ser autossuficiente e ainda mais exportador de gás e petróleo;

Como consequência houve um grande aumento do preço do petróleo pois os EUA não tinha mais ingerência na formação do preço, ao contrário, pressionava os preços para cima;

Em termos estratégicos, a Rússia invadiria, como o fez,  a Ucrânia, que sem armamento de defesa seria rapidamente dominada,

O Presidente assegurou publicamente que não haveria reação à invasão nem apoio americano militar a Ucrânia “a não ser se houvesse um ato abusivo da Rússia”

Os Ucranianos massacrados cederiam aos russos e ficariam se defendendo em forma de guerrinha crónica, que daria mais uma fonte de renda a indústria de material bélico americano.

Só que, não combinaram com os Ucranianos e muita coisa começou a dar errado.

O presidente da Ucrânia foi a público pedindo apoio e sanções,  ANTES da invasão, o que os EUA não queriam, não podiam, porque não estava na combinação com os russos;

Quando o presidente dos EUA ofereceu ao presidente da Ucrânia, de retira-lo em segurança da do pais, , Volodymyr Zelensky respondeu que “não queria carona e sim armamento para defender-se”.

Vários países europeus acabaram mudando de sua posição, agachada, para reações mais firmes, , pressionada pela opinião pública;

A real posição do governo americano começou a ficar cada día mais clara, como por exemplo, entre outras coisas, o veto à Polônia em dar aviões para os Ucranianos, evitando o massacre que vem ocorrendo.

Por outro lado, a vulnerabilidade da Rússia começou a aparecer. Mesmo tendo um fantástico arsenal nuclear e uma extraordinária máquina de guerra, sua economia é menor que a da Itália e começou a sentir as sanções, mesmo que ainda tênues, claudicantes e tímidas, do ocidente.

O espirito nacionalista dos ucranianos comecou a reagir à invacao, apesar do poder russo, da matanca de criancas, do bombardeio de maternidades e hospitais.

E, com isto, nem os russos contavam e…nem Biden que não tinha combinado com os ucranianos

Abrir Whatsapp
Precisa de ajuda?
Aquila Oxford Group
FALE AGORA MESMO COM UM DE NOSSOS CONSULTORES!