Um país com taxa de desemprego de 3,9% – uma das menores dos últimos 18 anos – e que viu sua economia crescer 4,1%, somente no segundo trimestre deste ano.

No mesmo período, o gasto dos consumidores teve a maior alta dos últimos quatro anos. As compras de bens de consumo aumentaram 5,9%. Ao mesmo tempo, o setor de serviços cresceu 3,1%.

Já a inflação se mantém baixa. Em maio, a taxa acumulada dos últimos 12 meses foi de 2,2%. E as expectativas para o futuro são positivas. A economia deverá crescer 2,7% neste ano. Em 2019, a estimativa é de 2,9%.

Você deve estar perguntando que pais é esse (e certamente já sabe de que não se trata do Brasil).

O destino que enche os olhos do mundo dos negócios é os Estados Unidos. O país está no melhor desempenho desde a crise econômica mundial, iniciada em 2008.

De acordo com Steven Mnuchin, secretário do Tesouro do país, o PIB americano deverá crescer, anualmente, 3% nos próximos quatro anos. A última vez que o país ultrapassou a casa dos 3% foi em 2006.

A franca expansão ao norte da fronteira tem chamado a atenção de brasileiros.

De acordo com Carlo Barbieri, economista e fundador do Oxford Group, consultoria especializada em internacionalização de empresas, houve aumento de 40% no interesse de empresários daqui que desejam atuar lá.

“A internacionalização é fundamental para a sobrevivência de uma empresa”, disse o economista. “É uma alternativa para não deixar todos os ovos numa mesma cesta”.

Barbieri foi um dos palestrantes do seminário “Como inserir sua empresa no mundo global por meio da internacionalização”. Veja o vídeo da palestra, na íntegra, abaixo.

O evento aconteceu na última terça-feira (11/09), na Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

O encontro foi organizado pela São Paulo Chamber of Commerce, braço de comércio exterior da ACSP, em parceria com FocoAmerica.com, Grupo Oxford USA, Preview Media Group (PMG), CECIEx e Advanced Corretora.  

Entre as facilidades de manter um negócio nos Estados Unidos, Barbieri destacou a recente redução de imposto de renda para pessoa jurídica. A alíquota recuou de 35% para 21%.

Outra medida do Governo Trump foi deixar de tributar o lucro de filiais internacionais de empresas com sede nos Estados Unidos que desejam repatriar os rendimentos. 

Abrir Whatsapp
Precisa de ajuda?
Aquila Oxford Group
FALE AGORA MESMO COM UM DE NOSSOS CONSULTORES!