publicado originalmente em ingles no Boca Raton tribune Why won’t we have another 2008 in the real estate market with COVID-19?

A grande pergunta do momento é sobre o que será do mercado imobiliário em conseqüência do Corona virus.

Temos que analisar esta questão sobre o ponto de vista nacional, regional e de áreas diretamente afetadas.

Em termos da economia em geral, temos que considerar que as perspectivas de retomada do crescimento nos EUA será real, a questão política de buscar demonstrar que uma depressão será inevitável, terminará com as eleições presidenciais. É natural que sigam mostrando um quadro dantesco, como propaganda eleitoral para tentar a eleição da oposição atual, mas, seja que vença o embate, a busca do sucesso econômico do país será a tônica para  2021.

Alguns pontos, por outra lado diferenciam a crise de 2008 para o momento atual

Os recursos alocados pelo FED para dar liquides ao sistema bancário (que não ocorreu com a velocidade que tivemos agora) deram tranqüilidade a população e aos bancos em particular.

Imediatamente foram disponibilizados $1,5 Trilhões para esta liquidez o que garantiu que o setor passaria incólume pela crise.

Por outro lado ao contrario de 2008, quando a crise atingiu o setor imobiliário, tínhamos um inventário altíssimo que levaria nos para ser absorvido, sem demanda real, eram basicamente compras especulativas.

Hoje, o estoque está baixo, com um déficit de residências entre 300,000 a 400,000  casas anuais, porque o novo sistema de aprovação “mortgage” para compra de residências ficou mais rígido do que nunca e as taxas do empréstimo, relativamente alta. Com isto, as casas não puderam ser adquiridas.

Hoje temos um “mortgage” com um custo baixíssimo, em termos históricos, até menores de 3% ao ano, que está atraindo não apenas pessoas que buscam comprar suas residências, como também investidores, inclusive do exterior.

Deve-se adicionar que a iliquidez de 2008 foi porque os bancos financiavam casas considerando o valor futuro esperado e hoje temos uma segurança de um percentual alto de “equity” nas propriedades e os americanos estão muito melhores, economicamente. Em 2008, o “Flow of Funds”era de 52% e hoje é de 64%, segundo o FED. O que da mais responsabilidade e segurança com relação ao pagamento dos débitos relativos a compra da propriedade.

Adicionalmente os financiamentos apoiados em órgãos federais tiveram ações de execução de dívida suspensos por pelo menos 60 dias, com provável extinção por mais 12 meses, o que tirará parte da potencial pressão vendedora do mercado.

Ao contrário, os planos do governo é o de incentivar a compra de casas próprias para os que hoje pagam aluguel, o que deverá ajudar a crise de falta de residências e colocar mais liquides no sistema.

Por último, os imóveis, a exceção de 2008 quando tiveram um declínio médio alto a nível nacional, nas demais recessões tem sempre apresentado uma valorização, após as crises, face sua rápida recuperação.

Está claro que alguns setores como as casas de locação temporária, com a região de Orlando, serão afetados. Primeiramente porque, Orlando como um todo, tem uma grande oferta atual e por vir, que impede a valorização como em outras áreas. Em segundo lugar, porque com a retração do turismo, parques temporariamente fechados, estas casas que pagavam seu “mortgage” com as locações temporárias terão pesados encargos sem a contrapartida dos alugueis, ou seja,  sem a receita prometida e esperada, o que deve ocasionar a venda de uma quantidade razoável de casas por forçosa e não prevista inadimplência.

Mas, temos que considerar que a médio e longo prazo, a vida voltará a florescer em Orlando, com a mesma intensidade de sempre.

Em conclusão, o céu não está negro para o setor imobiliário, ao contrário deverá ser uma grande opção de investimento, particularmente em operações estruturadas com investimento financeiro.

Carlo Barbieri

Abrir Whatsapp
Precisa de ajuda?
Aquila Oxford Group
FALE AGORA MESMO COM UM DE NOSSOS CONSULTORES!