matéria publicana originalmente em ingles no Boca Raton Tribune https://www.bocaratontribune.com/bocaratonnews/2021/03/the-red-wave-in-latin-america/

Após muito se falar sobre a onda azul nos EUA com a perspectiva do partido democrata  conseguir uma avassaladora vitória  no congresso americano, que na verdade não ocorreu, começamos ver a “onda vermelha” na América Latina, esta sim com reais possibilidade de se concretizar.

Além da ditaduras, como  a da Venezuela que segue com um governo central sob Maduro, assim como Cuba e Nicarágua, tivemos a Argentina, que numa primeira fase, foi eleito um governo com votos populares.

A Bolívia voltou ao domínio de Evo Morales e os “cocaleiros”, através de Lucho Arce.

O Equador, após a fim do governo de Rafael Correi, multi-incriminado por corrupção, a esquerda, tem chance de voltar ao poder, por seu pupilo Andrés Arauz, que se bem não levou a eleição no primeiro turno, pouca chance haverá para que o conservador, Guilherme Lasso consiga vitória no segundo turno, pois o terceiro candidato, Yaku Péres, que representa a forca indígena não se somará a ele. Com isto em 11 de abril deveremos ter mais um país com a esquerda no poder.

O México também está com a esquerda, desde as últimas eleições.

O Peru e a Colômbia, também estão com a esquerda com mais chance de sucesso, nas próximas

Como não há relação entre promessas e realidade, o populismo seguirá ocupando o espaço político, seja à esquerda ou a direita, em alguns casos.

A tendência é a vitória dos, como chamamos no Brasil, “poste” quando o principal líder esta proibido de se candidatar ou prefere ficar fora das câmeras, para que seus malfeitos sejam trazidos à luz.

No Chile, após a aprovação da constituinte, teremos não apenas uma nova constituição que poderá levar o país à ingovernabilidade, como já começou o movimento de saída de capital do país.

No Brasil, o único país com 12 presidentes no exercício do mandato, um eleito e 11 que mandam, a economia se deteriora em velocidade extraordinária, a dívida pública chega a números catastróficos, a inflação está voltando e proibição de uma ação coordenada e centralizada no combate a Covid, leva o país para um trauma sem solução à vista.

Sua credibilidade externa se esgarça, o Banco Central inverte bilhões de dólares para tentar evitar uma desvalorização ainda maior do real, frente a moeda americana, que iria ainda piorar a tendencia de aumento da inflação e do endividamento privado.

Há previsões mais “pessimistas de que, sem intervenção o dólar chegaria, ou chegará a R$8,00 por dólar.

Tudo leva a crer que teremos uma necessidade, a curto prazo, de aumento dos juros básicos do SELIC elevando-o a 2,5%, de imediato, pois os números estão a exigir, como o IGP-M com alta de 1,92% na primeira previa de fevereiro.

Com um Congresso carente de espírito público a situação se deteriora. Me lembra a frase de um deputado, ao ser instado a falar sobre os parlamentares estarem se protegendo contra os interesses da nação e sua população: “vocês não sabem ler? Esta “casa é a Câmara DOS Deputados”, não é casa da população ou do Brasil… e aclarada a questão, de forma cristalina, encerrou a conversa.

Vamos ver o que teremos em 2022.

De qualquer forma, a “onda vermelha” ganha o cenário, o que está levando a mais investidores optarem por colocar seus recursos nos EUA, para tristeza dos países da AL tão carente de recursos para investimento.

Abrir Whatsapp
Precisa de ajuda?
Aquila Oxford Group
FALE AGORA MESMO COM UM DE NOSSOS CONSULTORES!