https://www.osul.com.br/novo-presidente-dos-estados-unidos-quer-controle-de-armas-e-tenta-envolver-a-china/

O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, vê o Tratado New Start firmado com a Rússia nesta semana como o início de um engajamento em temas estratégicos, como o controle de armas multilateral, disse um embaixador dos Estados Unidos nesta quinta-feira (4).

Robert Wood, embaixador dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra, pediu em um discurso feito na Conferência para o Desarmamento patrocinada pela ONU uma nova iniciativa de controle de armas que “cubra mais armas, e futuramente mais países”.

“Os Estados Unidos também procurarão envolver a China no controle de armas nucleares e na redução de riscos. Espero que a China se junte a nós neste esforço”, disse Wood, que também atua como comissário norte-americano da Comissão Consultiva Bilateral do Tratado New Start.

EUA e Rússia anunciaram na quarta-feira que renovaram o tratado de controle de armas New Start por cinco anos, preservando o último tratado de limitação de mobilização dos dois maiores arsenais nucleares estratégicos do mundo.

O embaixador russo, Gennady Gatilov, ex-vice-ministro das Relações Exteriores, também falou durante as conversas de Genebra para elogiar a prorrogação do tratado.

A embaixadora de Israel, Meirav Eilon Shahar, disse que o pacto e o diálogo direto entre as duas potências mundiais testemunharam “um objetivo compartilhado de intensificar a segurança e a estabilidade globais”.

Aproximação

Para o analista político e economista Carlo Barbieri, uma possível aproximação entre norte-americanos e chineses seria ruim para o agronegócio brasileiro. “Na gestão de Donald Trump, a China elevou as tarifas de importação de grãos, o que causou uma valorização desses produtos no mercado internacional. O grande desafio será manter o patamar de preço elevado sem a guerra comercial”, pontua.

Ainda na avaliação do analista político, o presidente americano deve focar nos negócios com a China na área de tecnologia, levando a uma evasão das inovações americanas a nível brasileiro. “Isso pode ter um impacto nas nossas exportações, que em algumas áreas podem ser limitadas”, projeta.

Abrir Whatsapp
Precisa de ajuda?
Aquila Oxford Group
FALE AGORA MESMO COM UM DE NOSSOS CONSULTORES!