https://www.poder360.com.br/internacional/trump-e-incapaz-de-fazer-os-eua-crescerem-diz-o-economista-carlos-barbieri/
materia publicada no Poder 360

O economista e presidente da consultoria financeira Oxford Group, Carlo Barbieri, falou ao Poder360 sobre as eleições gerais dos Estados Unidos. Segundo ele, do ponto de vista econômico, o presidente Donald Trump “é capaz de fazer os Estados Unidos crescerem.”.

Donald Trump enfrenta o ex-vice presidente democrata, Joe Biden, nas urnas em 9 de novembro. O voto por correspondência, impulsionado pela pandemia da covid-19, está no centro do debate sobre o pleito. Trump disse que a votação por correio está sujeita a fraude e pediu aos seus eleitores que votem duas vezes, por correio e pessoalmente.

O Serviço Postal é capaz e competente para fazer com que os votos cheguem no destino e tempo certo. É mais uma questão política do que de incapacidade dos correios de entregarem os votos a tempo”, disse Carlo Barbieri.

A entrevista foi gravada em 27 de agosto de 2020. Assista à íntegra (22min19):

Para o economista, as críticas condução do combate à pandemia da covid-19 pelo governo Trump terão impacto negativo na campanha pela reeleição. “Acho que a pandemia tem muita influência, e é pouco provável que ele consiga reverter essa imagem negativa”.

Os EUA registraram mais de 6,4 milhões de casos da covid-19 e mais de 193 mil mortes por causa da doença – lideram o ranking de atingidos pela doença no mundo. “Foram os que mais perderam vidas por causa da pandemia. Isso tem influenciado significativamente a capacidade dele para gerir uma crise desse tamanho”, avaliou Barbieri.

O PIB (Produto Interno Bruto) do país encolheu 31,7% à taxa anualizada no 2º trimestre –maior contração desde a Grande Depressão (1929). Apesar disso, o economista demonstrou otimismo com a perspectiva de recuperação da economia norte-americana em 2021.

“Há uma perspectiva de crescimento. Com a vacina e a economia voltando ao normal, pode ser que eles consigam voltar à seminormalidade […] Eu creio que, ou ele ou Biden, vá conseguir imprimir o ritmo da economia”, declarou.

Carlo Barbieri comparou o cenário das eleições deste ano com as de 2016. “O fator importante é a motivação. Nas últimas eleições,  Trump não ganhou nas estatísticas do voto popular. A Hillary perdeu e ela perdeu porque não conseguiu motivar as pessoas a votarem”, disse.

Joe Biden mantém vantagem nas pesquisas eleitorais. Pesquisa da CNN, divulgada na 4ª feira (2.set.2020), mostra que o democrata tem 51% das intenções de voto para a Presidência. Donald Trump tem 43% da preferência dos norte-americanos.

Barbieri defende que Biden precisa detalhar os seus planos para aumentar os impostos dos mais ricos nos EUA. “A reforma para que essas pessoas contribuam mais é necessária. Creio que o Biden tenha que detalhar como seria feito esse aumento, para não espantar o capital gerador de emprego […] senão a classe média pode deixar de apoiá-lo”, afirmou.

Seguem trechos da entrevista de Carlo Barbieri (o que está em “itálico” é fala do presidente da Oxford Group:

O presidente Donald Trump tem sido muito criticado pela condução da pandemia. Trump questiona os cientistas e minimizou a gravidade da pandemia no começo. Como o sr. vê o impacto dessas críticas nos votos independentes?

O Trump tem 2 fatores difíceis de superar no processo eleitoral. O 1º deles é a pandemia. No início, ele não valorizou a sua importância. Ele achou que ela deveria ser minimizada para não paralisar a atividade econômica do país, que era a grande plataforma eleitoral dele. Ele acabou ficando em uma posição dúbia. De 1 lado, ele queria minimizar para manter a economia. Do outro, havia pressão popular porque a quantidade de pessoas afetadas pelo vírus cresceu de maneira estratosférica. Os EUA foram os que mais perderam vidas por causa da pandemia. Isso tem influenciado significativamente a capacidade dele para gerir uma crise desse tamanho. A plataforma do Partido Democrata está baseada em 2 itens fundamentais.  O 1º é a incapacidade do Trump de gerir o problema. O 2º é ser contra o Trump. A plataforma anti-Trump ganhou 1 fator fundamental no Partido Democrata que é a formação de unidade. Mas acho que a pandemia tem muita influência e é pouco provável que ele consiga reverter essa imagem negativa.

A economia sempre foi uma das bandeiras políticas de Trump e também 1 de seus triunfos durante parte do mandato. Com a pandemia, o desemprego atingiu índice histórico de 10,2%. Em fevereiro, antes da pandemia, o índice era de 3,5%. Como o senhor analisa a recuperação da economia nos EUA caso Trump seja reeleito?

Trump é incapaz de fazer os Estados Unidos crescerem. Na plataforma que lançou para o 2º mandato, ele prometeu 10 milhões de empregos em 2021. Há uma perspectiva de crescimento. Com a vacina e a economia voltando ao normal, pode ser que eles consigam voltar à seminormalidade. Certos setores devem demorar para voltar como o turismo. Eu creio que, ou ele ou Biden, vá conseguir imprimir o ritmo da economia em 2019. Não creio que esta plataforma de perspectiva econômica tenha peso nas eleições.

O Joe Biden tem sofrido pressão da ala mais progressista do Partido Democrata para pregar mais diversidade em eventual governo. Fez aceno com a escolha da senadora Kamala Harris, a 1ª mulher negra e asiática americana a integrar uma chapa presidencial. Qual é a sua opinião sobre esse aceno a essa demografia e como isso pode influenciar nos votos independentes?

O fator importante é a motivação. Nas últimas eleições, Trump não ganhou nas estatísticas do voto popular. Hillary perdeu e ela perdeu porque não conseguiu motivar as pessoas a votarem. A Hillary representa o establishment do Partido Democrata, que não motiva a juventude e a esquerda do partido. No Brasil, o caso é parecido com o do PT, que tem 40 segmentos. Se esses 40 segmentos não votam, é difícil de deixar de perder a eleição. O Partido Democrata conseguiu uma grande harmonia atualmente, em função da campanha anti-Trump. Eles disseram: a nossa plataforma eleitoral tem que ter unidade senão não conseguiremos derrubar o Trump. Isso tem sido muito bem articulado, com resultados fantásticos na motivação dos eleitores. Temos nesse diapasão os mais conservadores do partido até a ala mais à esquerda, da juventude. Eles não podem perder essa posição de unidade dentro do partido. Por essa razão, o Partido Democrata têm insistindo no voto por correio. A capacidade do partido de levar esse eleitores às urnas é maior quando eles estão cientes da importância das eleições. O voto por correio vai ser uma boa forma do Partido Democrata levar uma quantidade necessária de votos para a vitória.

Trump criticou o voto por correspondência nos EUA. A expectativa é que esses votos aumentem por conta da pandemia. Ele disse que pode haver fraudes no processo eleitoral e que os correios não estão prontos para atender a demanda. Estaria Trump e tentando usar o Serviço Postal para que menos eleitores votem?

O Serviço Postal é totalmente capacitado a receber os votos. A grande questão é quem terá o direito de votar em casa. Esta é a grande divergência. No caso, por exemplo da Califórnia, todas as pessoas que possuem carteira de identidade poderão votar. você traz para dentro da votação 1 contingente eleitoral muito grande e que realmente pode decidir o pleito. Essa questão dos correios é irracional, pois eles continuam tendo a capacidade para entregar as correspondências. Eu moro aqui, então conheço como funciona. O acúmulo de novas correspondências não vai atrapalhar e não contribuirá para fraude. O Serviço Postal é capaz e competente para fazer com que os votos cheguem no destino e tempo certo. É mais uma questão política do que de incapacidade dos correios de entregarem os votos a tempo.

O Joe Biden tem defendido pautas de alguns candidatos mais progressistas do Partido Democrata, Bernie Sanders e a Elizabeth Warren, como o aumento dos impostos para os mais ricos. Como o senhor avalia essa reforma tributária nos EUA e o impacto disso no voto de pessoas com maior poder aquisitivo?

O que é importante definir nesse aumento de impostos é como ele incidirá. Eu, como economista, diria que se você aumenta o imposto das corporações, você acaba fazendo com que elas mudem de país. Foi o que aconteceu na França e em vários países europeus. Quando a corporação consegue mudar as suas operações para outro país em que as taxas sejam menores, você está transferindo a capacidade de arrecadação do Estado. A reforma dos impostos para aqueles que ganham mais é uma necessidade real em qualquer país,  particularmente nos Estados Unidos, onde você tem 1 exemplo de uma pessoa que chegou a 1 patrimônio de US$ 200 bilhões de dólares como é o caso do [Jeff] Bezos. Não é possível que uma pessoa tenha uma patrimônio desses e outras pessoas tenham quase nada. A reforma para que essas pessoas contribuam mais é necessária. Creio que o Biden tenha que detalhar como seria feito esse aumento, para não espantar o capital gerador de emprego. Creio que ele vá evoluir com essa proposta, senão a classe média pode deixar de apoiá-lo com temor do aumento dos impostos, que foi 1 dos trunfos do Trump durante o mandato.

Abrir Whatsapp
Precisa de ajuda?
Olá,
Como posso ajudá-lo?